Operação sob falsa bandeira: Como o Catar preparou o bombardeio de um acampamento do Exército Sírio

Share Button

Andrey Fomin*

Enquanto os aviões da Coalizão internacional bombardearam um acampamento do Exército Árabe Sírio, a 6 de dezembro, os Ciber-Berkut ucranianos tornaram público novos documentos. Eles mostram que o Catar comprou bombas de fabrico russo na Ucrânia, de modo a poder acusar a Rússia.

| MOSCOU (RÚSSIA)
JPEG - 42 kb
Anton Pashynskyi tem 25 anos de idade. Ele é funcionário da agência ucraniana de exportação de armas. É filho de Sergei Pashynskyi, conhecido pelo seu papel controverso no tiroteio quando do golpe de Estado em Kiev, em fevereiro de 2014. Este último é atualmente membro da Verkhovna Rada (Parlamento) da Ucrânia.

A 7 de dezembro, os Ciber-Berkut ucranianos tornaram público um novo conjunto dados expondo a preparação de ataques de falsa-bandeira na Síria, pelo Ministério da Defesa do Catar. Eis, pois, num “e-mail” hackeado a Anton Pashynskyi, um funcionário da SpetsTechnoExport (exportador oficial de armas ucraniano), datado de 21 de Outubro de 2015, escrito para o seu parceiro polaco(polonês-br) de nível 11, o que se segue :

«Boa tarde! Eu tenho uma nova proposta. O exército do Catar quer comprar 2.000 bombas de fragmentação OFAB 250-270. Este é um assunto urgente. Eles estão dispostos a pagar 2.100 US $ a unidade. Veja como entregar, desde que possível. O destinatário final é o Ministério da Defesa do Catar.
Certificado de utilizador final (EUC) junto».

JPEG - 14 kb

A OFAB 250-270 é uma bomba de 250 kg, não guiada, actualmente utilizada pelos jatos russos Su-25 e TU-23m3 para rebentar as posições dos grupos terroristas do Daesh e associados na Síria :

A Força Aérea do Catar possui Mirages franceses (aviões de combate multifunções) e jatos Alpha de ataque. Nenhum deles pode, em princípio, ser equipado com OFAB 250-270. Daí a pergunta:

Porque é que o Ministério da Defesa do Catar procurou comprar um arsenal considerável de bombas, não só inadaptadas aos seus aviões, mas a um preço três vezes (!) maior que o do mercado? (as OFAB 250-270 são vendidas a 700, 800 US$ a unidade).

A resposta é horrivelmente simples: qualquer perito independente, que constatasse o emprego das OFAB 250-270 na Síria, concluiria, rapidamente, que se trata de bombas russas, e que habitualmente elas só são empregues pelos Russos.

Ora, essa é precisamente a questão que se pôs após o bombardeamento, a 6 de dezembro de 2015, de um acampamento do Exército Árabe da Síria. De acordo com a Síria, dois aviões desviaram-se de um grupo de quatro aeronaves da Coligação, despejaram bombas não guiadas, mataram 3 soldados e feriram outros 24, enquanto os jiadistas atacavam no solo. Mas o Pentágono negou qualquer envolvimento no incidente e a imprensa Catari acusou a Rússia de ter cometido um erro.

Abaixo está o certificado de destino final:

JPEG - 46.8 kb

Andrey Fomin  Fondateur du journal en ligne d’analyse politique Oriental Review. Maître en histoire russe de l’université d’État Lomonosov de Moscou.

Tradução Alva

Fonte Oriental Review (Rússia)

Share Button

Deixar um comentário