Trump pode viver com a ameaça de ‘vingança’ do Irã?

Share Button
Resultado de imagem para Comoção no enterro de Qassem Soleimani"
Por  M.K. BHADRAKUMAR
publicado no Asia Times em 7 de janeiro 2020
A janela para a diplomacia pode permanecer aberta mesmo se Teerã atacar tropas americanas
O assassinato do general iraniano Qasem Soleimani em 3 de janeiro desencadeou uma série de cenários terríveis.
A escala impressionante da manifestação do sentimento público dentro do Irã durante o funeral de Soleimani torna 100% certo de que, com o período de luto terminado na terça-feira, Teerã começará a cumprir o voto do líder supremo Ali Khamenei de “vingança severa” contra os Estados Unidos.
Qual é a forma que ela assume continua a ser vista depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, ordenou o ataque por drone que matou Soleimani.
O Irã não busca uma guerra com os EUA, mas pode alavancar o “Eixo da Resistência” – Irã, Síria e o grupo militante libanês Hezbollah. Os alvos serão bens e pessoal militar dos EUA, regional e mundialmente.
A partir de agora, o Irã não tem intenção de enfrentar aliados regionais de Washington, especialmente Israel. É importante ressaltar que nenhuma autoridade iraniana apontou o dedo para Israel por envolvimento no assassinato de Soleimani.
Os regimes árabes do Golfo buscaram garantias independentemente do Irã, o que explica a rápida viagem a Washington pelo vice-ministro da Defesa saudita Prince Khalid, irmão do príncipe herdeiro e ministro da Defesa Mohammed bin Salman.
Riyadh deixou claro que está pedindo contenção por parte do governo Trump. Há dois dias, o vice-primeiro-ministro e o ministro das Relações Exteriores do Catar, Mohammed bin Abdulrahman bin Jassim Al Thani, membro da família real no poder, estava em Teerã e foi recebido pelo presidente Hassan Rouhani.
No entanto, os países árabes do Golfo têm preocupações com danos colaterais no caso de retaliação iraniana contra qualquer ataque direto dos EUA. Trump não pode ignorar essas preocupações.
Segundo fator
Enquanto isso, um segundo fator surgiu na forma da demanda iraquiana de que os militares dos EUA deixem o país. Washington não conseguiu impedir a votação pelo parlamento iraquiano e está pressionado a responder à demanda de Bagdá.
Há confusão no Beltway. O comandante dos EUA no Iraque, brigadeiro-general William Seely, acidentalmente divulgou um rascunho da carta informando as forças armadas iraquianas de que “em devida consideração à soberania” do Iraque, a coalizão liderada pelos EUA estaria “reposicionando forças ao longo dos próximos dias e semanas para se preparar para o movimento seguinte … para garantir que o movimento fora do Iraque seja conduzido de maneira segura e eficiente ”.
O general acrescentou que “conduziremos essas operações durante horas de escuridão para ajudar a aliviar qualquer percepção de que possamos estar trazendo mais forças de coalizão” para o Iraque.
“Mal escrito”
Mas o Pentágono desde então se esforçou para negar esta carta dizendo que era “mal formulada”. O secretário de Defesa Mark Esper e o presidente da junta-geral, general Mark Milley, negaram às pressas que os EUA estão retirando tropas do Iraque.
É claro que é inconcebível que o general Seely ou o general Milley e Esper tivessem concebido essas decisões contraditórias sem a aprovação de Trump.
Evidentemente, Trump não consegue se decidir. Enquanto isso, os comandantes do Pentágono estão profundamente conscientes da enorme onda de sentimentos antiamericanos no Iraque após a morte de Abu Mahdi al-Muhandis, que era o comandante de fato da Mobilização Popular apoiada pelo Irã, mas sancionada pelo Estado iraquiano. Forças que compreendem grupos de milícias xiitas endurecidos pela batalha.
O Pentágono pode ter avaliado realisticamente que uma presença militar dos EUA no Iraque estava se tornando insustentável. Mas Trump os anulou, já que a óptica de uma retirada neste momento será extremamente prejudicial politicamente.
Por outro lado, as cerca de 5.000 tropas americanas espalhadas pelas bases do Iraque ficarão de patos se a milícia iraquiana iniciar uma guerra de desgaste. Não se pode descartar uma repetição dos atentados de quartel de Beirute em 1983 – o ataque a um complexo da Marinha em Beirute na noite de 23 de outubro, no qual 241 militares dos EUA foram mortos, forçando Reagan a ordenar a retirada de tropas do Líbano.
Trump deve estar calculando que pode ameaçar o Irã e forçá-lo a controlar os grupos da milícia iraquiana. Mas essa é uma noção equivocada, pois vários grupos armados milicianos do Iraque estão em conflito com a experiência anterior de lutar na insurgência xiita após a invasão dos EUA em 2003.
Fator JCPOA( Acordo Nuclear)
Em um nível mais fundamental, está emergindo um terceiro fator que não recebeu a devida atenção: o anúncio do Irã no domingo sobre a quinta e última etapa que prometeu dar em resposta à retirada dos EUA do acordo nuclear de 2015 (conhecido como JCPOA ) em maio de 2018.
O Irã anunciou que não seguirá mais as limitações descritas no JCPOA em relação ao “número de centrífugas … produção, incluindo capacidade de enriquecimento e porcentagem e número de urânio enriquecido, além de pesquisa e expansão”.
Esta é uma decisão cuidadosamente calibrada. Isso não significa que o Irã está descartando o JCPOA, mas tornou a matriz ineficaz. Segundo o ministro das Relações Exteriores Javad Zarif, o Irã continuará permitindo que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) revise
sua pesquisa nuclear e estaria disposto a se unir novamente ao JCPOA se as sanções contra ele fossem removidas.
Indiscutivelmente, isso pode significar o arco final para o JCPOA, embora não precise ser. O Irã se reserva o direito de aumentar imediatamente seus níveis de enriquecimento para 20%, mas pode não fazê-lo e permitiria à AIEA manter o acesso à inspeção.
Essa abordagem medida da política nuclear tem influência nas crescentes tensões com os EUA. É extremamente importante simbolicamente e taticamente que Teerã fez esse anúncio durante o período de luto. Não se engane, a decisão levou o imprimatur do líder supremo Ali Khamenei.
Janela para a diplomacia
Certamente, Teerã está mantendo aberta uma janela estreita para a diplomacia. A UE sente isso e convidou Zarif a se reunir em Bruxelas na sexta-feira com os ministros das Relações Exteriores do Reino Unido, França e Alemanha.
Se essa janela se abrirá mais no final de semana é a questão crucial. Caso isso aconteça, a abordagem de “pressão máxima” de Trump (sanções contra o Irã) será inevitavelmente trazida para ela, e uma dinâmica totalmente nova poderá ser gerada no impasse geral entre EUA e Irã.
Trump está sendo criticado pelos democratas e pela grande mídia norte-americana por sua decisão de precipitar o atual confronto. Sua candidatura à reeleição pode estar em risco se o confronto se intensificar nos próximos meses. Certamente, a lei dos retornos decrescentes está em ação na estratégia de pressão máxima de Trump.
As cenas emocionais do funeral de Soleimani ontem enfatizaram que o comandante carismático era mais um filho do aiatolá Khamenei, cuja dor parecia intensamente pessoal.
O que ainda pode ser possível é que a “severa vingança” do Irã pode estar em uma escala com a qual Trump possa conviver, permitindo que uma porta se abra para negociações.
M.K. Bhadrakumar é um ex-diplomata que atuou por mais de 29 anos como oficial do Serviço de Relações Exteriores da Índia, com destacamentos incluindo o embaixador da Índia na Turquia e no Uzbequistão.
Fonte Asia Times
Tradução Oriente Midia
Share Button

Deixar um comentário