Os Estados Unidos e Israel vão pilhar o petróleo da Síria ocupada

Share Button


Os Estados Unidos autorizaram os seus mercenários curdos presentes no Norte da Síria a explorar lá petróleo e a vendê-lo a Israel.

O diário libanês Al-Akhbar publicou a carta de missão do negociante israelita Mordechai Kahana. Num primeiro tempo, os porta-vozes do governo fantoche de «Rojava» negaram a informação. Depois o Sr. Kahana confirmou-o na imprensa israelense (e não nos EUA), especificando que não agia enquanto Israelense, mas, sim como cidadão Norte-americano. Ora bem, se tal fosse o caso, o Pentágono estaria a violar a Convenção de Genebra que proíbe a qualquer potência ocupante saquear os recursos do país que ocupa (o que, aliás, fizeram o Daesh(E.I.) e a Turquia anteriormente).

Se as reservas descobertas de hidrocarbonetos cobrem toda a Síria, dos poços de petróleo em operação cerca de 90% deles estão na área ocupada pelas tropas norte-americanas e francesas.

O «Rojava» é um pseudo-Curdistão situado em território sírio e fora do espaço atribuído pela Comissão King-Crane, de 1919, e aprovado pelo Tratado de Sèves de 1920. Durante a agressão ocidental contra a Síria, os Estados Unidos procederam a uma limpeza étnica, expulsando populações cristãs e árabes e incentivando a imigração curda da Turquia e do Iraque.

Mordechai Kahana participou na emigração de judeus sírios durante a agressão ocidental de 2011. Ele financiou as viagens do senador John McCain à Síria e restaurou as sinagogas no país.

Segundo a imprensa libanesa, ele foi um dos responsáveis pelo programa israelita de criação de uma zona tampão na fronteira israelo-síria. Tratava-se de instituir um «Druzistão» à volta do Major sírio Khaldoun Zeineddine, dentro do modelo do «Curdistão» no Norte do país. Mas este projeto nunca funcionou verdadeiramente por causa da falta de Colaboracionistas.

Tradução
Alva

Share Button

Deixar um comentário