Pepe Escobar: Bamiyan, Babilônia, Palmira, Notre-Dame

Share Button

Image result for notre dame

16/4/2019, Pepe Escobar, pelo Facebook

Os Budas de Bamiyan foram destruídos por uma seita intolerante que fingia seguir o Islã. O budismo em toda a Ásia chorou, enlutado. O ocidente praticamente nem tomou conhecimento.

As ruínas sobreviventes de Babilônia e o museu que lá está (estava) foram ocupados, saqueados e vandalizados por uma base de US Marines durante a ‘operação’ “Choque e Pavor”, em 2003. O ocidente praticamente nem tomou conhecimento.

Grandes partes de Palmira – oásis legendário da Rota da Seda – foram destruídas por outra seita intolerante que fingia seguir o Islã, com a retaguarda protegida por camadas e camadas de ‘inteligência’ ocidental. O ocidente praticamente não deu atenção.

Incontáveis igrejas católicas e ortodoxas na Síria foram queimadas até virar cinza, pela mesma seita intolerante que fingia seguir o Islã, com a retaguarda protegida e com armas fornecidas, dentre outros, por EUA, Grã-Bretanha e França. O ocidente absolutamente não deu atenção alguma.

Notre-Dame, que em muitos sentidos pode ser apresentada como a Matrix do ocidente, foi parcialmente consumida por fogo dado, teoricamente, por não intencional [ing. blind fire].

Especialmente a cobertura; madeirame de carvalho, em algumas áreas datando do século 13. Metaforicamente, pode ser interpretado como o telhado que cobre as cabeças coletivas do ocidente, que incendiou-se e sumiu.

Karma ruim? Até que enfim?

*******

Agora, de volta ao xis da questão.

Notre-Dame é propriedade do estado francês, que dá pouca ou absolutamente nenhuma atenção a uma joia gótica que atravessou oito séculos.

Fragmentos de arcadas, das quimeras, dos relevos, das gárgulas vivem caindo no meio da rua e são guardadas num depósito improvisado nos fundos da catedral.

Só no ano passado, Notre-Dame ganhou um cheque de 2 milhões de euros para restaurar a agulha – que ontem queimou inteira.

A restauração de toda a catedral custaria 150 milhões de euros, segundo o maior especialista mundial em Notre-Dame, que acontece de ser um norte-americano, Andrew Tallon.

Recentemente, os responsáveis pela custódia da catedral e o estado francês estiveram realmente em guerra.

O estado francês recolhia no mínimo 4 milhões de euros por ano só dos turistas que pagam para entrar nas Torres Gêmeas (do Sino), mas só repassava 2 milhões para a conservação de Notre-Dame.

O reitor de Notre-Dame recusou-se a cobrar entrada de quem vem à catedral – como se faz, por exemplo, no Duomo em Milão.

Notre-Dame basicamente sobrevive de doações – que pagam o salário de apenas 70 empregados aos quais cabe não apenas supervisionar as massas de turistas, mas, também, organizar oito missas por dia.

Proposta do estado francês para minimizar o calvário: organizar uma loteria beneficente. Significa: privatizar o que é compromisso e obrigação do estado.

Assim sendo, sim: Sarkozy e Macron, e os respectivos governos privatizantes são diretamente e indiretamente responsáveis pelo fogo.

Vem aí a Nossa Senhora dos Bilionários.

Pinault (Gucci, St. Laurent) prometeu 100 milhões de euros de sua fortuna pessoal para a restauração. Arnault (Louis Vuitton Moet Hennessy) repicou: prometeu 200 milhões.

Ora! Por que não privatizar esse tão excelente item de propriedade imobiliária – à moda do capitalismo de desastre? Bem-vindos ao condomínio de luxo Notre-Dame, Paris, hotel e shopping-center.*****

Share Button

Deixar um comentário