No Iraque, o futuro próximo é terrível

Share Button

Entrevista a Patrick Cockburn, The Independent, UK, tradução Vila Vudu.

O futuro do Iraque como país uno e independente está ameaçado pela hostilidade sectária que separa xiitas e sunitas, disse Muqtada al-Sadr, o líder religioso xiita cujas milícias – Exército Mahdi [1] – combateram contra os exércitos dos EUA e da Grã-Bretanha, e que ainda é figura poderosa na política iraquiana. Al-Sadr alerta para o perigo de que “o povo iraquiano seja desintegrado, o governo seja desintegrado, o que tornará mais fácil que potências estrangeiras controlem o país.”

Em entrevista ao jornal The Independent, na cidade santa de Najaf, cerca de 160 quilômetros a sudoeste de Bagdá – a primeira entrevista presencial que dá a jornal ocidental em mais de dez anos – al-Sadr mostrou-se pessimista quanto ao futuro próximo do Iraque: “O futuro próximo do Iraque é terrível”.

moqtada

Disse que o que mais o preocupa é o sectarismo que já afeta os iraquianos no plano das ruas; para al-Sadr, “se o sectarismo se disseminar entre o povo, será difícil combatê-lo.” Acredita que a posição que assumiu, contra o sectarismo, já o fez perder apoios entre seus seguidores.

A posição moderada de al-Sadr é importantíssima nesse momento, quando aumentam os confrontos sectários no Iraque – cerca de 200 xiitas foram mortos, só na última semana. Há 40 anos, Muqtada al-Sadr e líderes religiosos de sua família vêm demarcando as tendências políticas dentro da comunidade xiita no Iraque. A longa resistência contra o governo de Saddam Hussein e, depois dela, a resistência também contra a ocupação pelos EUA, tiveram impacto crucial.

Muqtada al-Sadr ainda é líder muito influente no Iraque, depois de uma carreira extraordinária, ao longo da qual escapou várias vezes de ser assassinado. E inúmeras vezes pareceu que o movimento político que ele comanda, o Movimento Sadrista [ou Saadrista], seria afinal esmagado.

Muqtada tinha 25 anos em 1999, quando seu pai, Mohammed Sadiq al-Sadr, reverenciado clérigo xiita, e dois filhos, irmãos de Muqtada, foram assassinados por esquadrões da morte a serviço de Saddam Hussein, em Najaf. Ele sobreviveu por pouco, e permaneceu em prisão domiciliar em Najaf até 2003, quando a invasão norte-americana pôs fim ao governo de Saddam. Muqtada e seus seguidores tornaram-se a força mais poderosa e influente em várias áreas xiitas do Iraque, primeiro como inimigos de Saddam, em seguida como força de resistência contra a ocupação norte-americana.

Em 2004, o Exército Mahdi, dos sadristas, manteve dois terríveis confrontos militares contra soldados dos EUA em Najaf; e em Basra, sustentou longa guerra de guerrilhas contra o Exército Britânico, o qual acabou forçado a entregar o controle da cidade aos guerrilheiros de Muqtada.

Para a comunidade sunita, o Exército Mahdi sempre teve papel central na campanha de assassinatos sectários que atingiu o pico nos anos 2006-7. Muqtada al-Sadr diz que “não fomos nós; havia gente infiltrada no Exército Mahdi, e foram responsáveis pelos assassinatos.” – E acrescenta que, se houvesse guerrilheiros seus envolvidos no assassinato de sunitas, ele seria o primeiro a denunciá-los.

É verdade que, por longo tempo, nesse período, Muqtada al-Sadr não parecia ter pleno controle sobre as forças que agiam como se fosse em nome dele. Até que, afinal, conseguiu dobrá-las. Simultaneamente, o Exército Mahdi estava sendo arrancado de suas antigas fortalezas em Basra e em Sadr, pelo exército dos EUA e forças ressurgentes do governo iraquiano. Perguntado sobre o status presente do Exército Mahdi, Muqtada al-Sadr disse: “Ainda está lá, mas congelado, porque parece que a ocupação acabou. Se a ocupação voltar, as milícias do Exército Mahdi também voltarão.”

Nos últimos cinco anos, Muqtada al-Sadr  reconstruiu seu movimento, como um dos principais atores na política do Iraque, com plataforma que é uma mistura de religião xiita, populismo e nacionalismo iraquiano. Depois de exibir força significativa nas eleições gerais de 2010, o partido passou a integrar o atual governo, com seis ministros no Gabinete. Mas Muqtada al-Sadr é extremamente crítico contra o desempenho do primeiro-ministro Nouri al-Maliki nos seus dois mandatos; acusa o governo de ser sectário, corrupto e incompetente.

Falando de Maliki, cujas relações com Muqtada al-Sadr azedam cada dia mais, al-Sadr diz que “talvez não seja o único responsável pelo que está acontecendo no Iraque, mas é quem está no poder”. Perguntado se acha provável que Maliki permaneça como primeiro-ministro, disse: “Acho que se candidatará a um terceiro mandato, mas preferiria que não se candidate.”

Muqtada al-Sadr  dise que ele e outros líderes iraquianos já tentaram substituir Maliki no governo, mas ele permaneceu no cargo, por causa do apoio que recebe dos EUA e do Irã. “O mais surpreendente é que EUA e Irã decidam sobre o primeiro-ministro do Iraque” – diz ele. – “Maliki é forte porque é sustentado pelos EUA, Grã-Bretanha e Irã.”

Al-Sadr critica, sobretudo, o modo como o governo está lidando com a minoria sunita, que perdeu o poder em 2003; para ele, os sunitas estão sendo marginalizados, e suas demandas são ignoradas. Entende que o governo iraquiano deixou passar a oportunidade de fazer uma conciliação com os sunitas, cujas manifestações públicas começaram em dezembro passado para exigir mais direitos civis e o fim das perseguições.

“Minha opinião pessoal é que é, agora, já é tarde demais para atender àquelas demandas [dos sunitas], depois que o governo – que os manifestantes veem como governo xiita – passou tanto tempo sem lhes dar atenção” – diz ele. Perguntado sobre como os xiitas comuns (a grande maioria dos mil mortos pelas bombas da al-Qaeda, já há um mês, são xiitas) reagiriam, Muqtada al-Sadr disse: “Eles têm de entender que não estão sendo atacados por sunitas. Estão sendo atacados por extremistas. Estão sendo atacados por potências de fora do Iraque.”

Para sl-Sadr, o problema no Iraque é que os iraquianos, como um todo, estão traumatizados por quase meio século ao longo do qual viveram “um ciclo constante de violência: Saddam, a ocupação norte-americana, a 1ª Guerra do Golfo, a 2ª Guerra do Golfo, depois a guerra da ocupação, depois a resistência – isso levou a uma mudança na psicologia dos iraquianos.”

Explicou que os iraquianos cometeram o erro de tentar resolver um problema, criando outro pior, como ter contado com os EUA para derrubar Saddam Hussein, o que gerou o problema da ocupação norte-americana. Compara os iraquianos a “alguém que descobre um rato em casa e procura um gato para matar o rato; depois, quer livrar-se do gato, e procura um cachorro. Depois, para livrar-se do cachorro, compra um elefante, quer dizer, voltou a pôr o rato dentro de casa.”

Perguntado sobre o melhor modo de os iraquianos lidarem com o rato, al-Sadr disse: “Usar, não gato nem cachorro, mas unidade nacional; rejeitar o sectarismo, abrir a cabeça, rejeitar o extremismo.”

Um dos principais temas da abordagem de al-Sadr é promover o Iraque como estado-nação independente, capaz de tomar decisões que visem aos seus próprios interesses.  Dada a hostilidade crescente contra a ocupação por EUA e Grã-Bretanha, que os ocupantes sejam responsabilizados por muitos dos atuais tormentos do Iraque. Até que isso seja feito, nem ele nem ninguém de seu movimento se reunirão com funcionários norte-americanos ou britânicos. Mas al-Sadr também é hostil à intervenção pelo Irã, nos negócios iraquianos. Diz ele: “Recusamos todos os tipos de intervenção de forças externas, sejam contra ou a favor de interesses do Iraque. O destino dos iraquianos deve ser decidido exclusivamente pelos iraquianos.”

Vê-se uma mudança na posição de um homem que foi demonizado pelos EUA e Grã-Bretanha como joguete nas mãos do Irã. A força do movimento sadrista sob comando de Muqtada al-Sadr e de seu pai – e a capacidade de enfrentar inimigos poderosos e de sobreviver a derrotas terríveis – deve muito ao fato de ele combinar um revivalismo xiita com ativismo social e nacionalismo iraquiano.

Por que tantos membros do governo do Iraque são tão ineficazes e corruptos? Para al-Sadr, “porque competem entre eles para pôr as mãos na maior fatia do bolo, em vez de competirem para mais bem servir ao povo.”

Perguntado sobre por que o Governo Regional do Curdistão foi mais bem-sucedido em termos de segurança e de desenvolvimento econômico que o resto do Iraque, al-Sadr entende que houve menos roubo e corrupção entre os curdos; e talvez “porque eles amam a própria etnicidade e a região onde vivem.” Se o governo tentasse marginalizá-los, talvez exigissem a própria independência: “Massoud Barzani [presidente do Governo Regional do Curdistão] disse-me que ‘se Maliki nos pressionar demais, exigiremos a independência’.”

Ao final da entrevista, Muqtada al-Sadr perguntou-me se não tinha medo de entrevistá-lo; e se a entrevista levasse o governo britânico a considerar-me terrorista? Perguntou se o governo britânico ainda supunha que tivesse ‘libertado’ o povo iraquiano. E comentou que talvez devesse processar o governo, pelas mortes causadas pela ocupação britânica.

[1] Sobre o Exército Mahdi [ou Mehdi],

Share Button

Deixar um comentário