As letras sírias em tempos revoltos 1

Share Button

Por Fedra Rodríguez Hinojosa.*

Parece quase infantil afirmar que a guerra afeta todas as esferas sociais (inclusive as artes), dado o seu caráter axiomático. No entanto, essa asseveração perde sua obviedade quando começamos a perscrutar os efeitos de ações bélicas dentro de cada cultura e de cada uma das esferas em questão. As noções de justiça e reconstrução, bem como o olhar em direção ao futuro e à reavaliação de valores morais e sociais, não serão as mesmas para todas as comunidades.

Desde o início da revolta contra o Presidente Bashar al-Assad, em março de 2011, a dor e o silêncio se mesclam às incertezas e esperanças na Síria de hoje, um panorama que se reflete de modo variado num dos âmbitos que atua como instrumento de mudança social: a literatura.

Escritores sírios expatriados ou ainda em território nacional tomam diferentes caminhos e posturas, mas convergem na produção de novos movimentos literários e meios de expressão, alternando memória social, escritos breves e silêncio. Mas este último, para alguns deles, não significa ausência, pelo contrário, é uma forma de recobrar as forças e repensar convicções. Ao sair da reticência, produzem textos curtos, poesias e documentários dirigidos aos conterrâneos e, principalmente, à comunidade internacional, considerada omissa e até mesmo cínica, como declara Fawwaz Haddad, autor de God’s Soldiers (2010), romance ainda sem tradução no Brasil, que descreve a busca de um pai pelo filho que se juntou às milícias da Al-Qaeda. Sem se colocar a favor ou contra o regime de al-Assad, Haddad defende diretamente a discussão aberta do futuro dos países árabes, sempre oculto atrás das cortinas da política global.

Dentro dessa perspectiva, o autor Khaled Khalifa também destaca a omissão do Ocidente diante das tragédias vividas pelo Oriente Médio. Mais ainda, em entrevista a Anders Hastrup, do Louisiana Museum of Modern Art Channel, Khalifa critica a postura de políticos e jornalistas ocidentais que desejam ver o conflito na Síria “com etiquetas negras, sem ver as outras cores da revolução”. Embora seja contra o regime atual, pois viu seu livro In Praise of Hatred (2006) ser proibido no país, o escritor nascido em Aleppo acredita que apoiadores ou oposicionistas devem repensar conceitos sem influências externas para que, após os tempos de tormenta, haja o nascimento de uma nova Síria. Ao invés de amaldiçoar a revolução ou simplesmente falar dela, os intelectuais, junto a outros elementos da sociedade, precisam encontrar um ponto de convergência para superar a crise, evitando que o turbilhão da política internacional envolva ainda mais o mundo árabe, inviabilizando sua recuperação imediata.

No que diz respeito à produção literária desde 2011, há um consenso: não é possível escrever romances agora. Não há espaço ou tempo para longas digressões ou para o realismo mágico que costuma pontuar a literatura síria contemporânea. A escrita de um romance pode levar anos e as considerações geradas a partir de uma guerra não são um material para ser lançado de forma imediata, como algo corriqueiro. Prova disso é que a maioria dos romances publicados nos anos 2000 e mais recentemente têm como pano de fundo as mudanças e períodos de transição do país, vividos entre 1960 e 1990, algo que poderíamos chamar de “prosa retroativa”. Por exemplo, In the Eye of the Sun (2011), de Ibtisam Ibrahim Teresa, relaciona eventos do passado com o presente. Igualmente, o polêmico livro de Khaled Khalifa, que levou 13 anos para ser escrito, tem como cenário a subida ao poder de Hafez al-Assad, sua confrontação com a Irmandade Muçulmana e o massacre em Hama, em 1982.

Fica claro, então, que agora é necessário agir de forma mais rápida e direta. Assim, Khalifa, Haddad, Nihad Sirees e Samar Yazbek, apenas veem a possibilidade de realizar documentários, escrever em blogs ou produzir poesias e narrativas curtas. Aliás, muitas dessas poesias são levadas às ruas ou escritas em cantos das principais cidades, como um chamamento à mudança, à exaltação da identidade nacional. Sirees também crê que as redes sociais terão papel importante neste momento; ele mesmo já publicou contos em sua página no Facebook, chamando a atenção para o drama atual de seu país.

Por sua vez, Yazbek, autora de Woman in the Crossfire: Diaries of the Syrian Revolution (2012), diz que seus esforços não se limitam ao campo das artes. Fundou em 23 de junho de 2012, em Paris, a Soriyat for Development, uma ONG dirigida às mulheres da Síria, para que tenham voz ativa no espaço cultural e político.

Então a prosa longa não terá mais espaço na Síria até o fim da guerra, concluiriam os mais apressados. A resposta é direta: a literatura se recria e, portanto, continuará de qualquer modo dando voz aos filhos da guerra.

*Doutora em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina e Universidade de Sevilha, Espanha, Fedra Rodríguez Hinojosa atua como tradutora, redatora, revisora e pesquisadora acadêmica no campo da Literatura e Cultura Árabe. Integra o corpo editorial e a equipe de pareceristas de revistas e sites como a (n.t.) Revista Literária em Tradução, a Catalysta Ed., de Nova York, USA e a African Studies Review, da Universidade de Massachusetts, USA.

Link para Currículo Lattes

 

Share Button

Um comentário sobre “As letras sírias em tempos revoltos

  1. Responder Humberto de oliveira maio 26,2017 12:20

    Como fazer para ter acesso a esta produção literária em língua francesa? Seria a oportunidade de contribuir, pelo ensino da literatura, curso de literatura francófona, por exemplo, curricular, ou com mini cursos ou palestras…Sou coordenador de um centro de pesquisas em Literaturas e culturas franco-afro-americanas que tem a lingua francesa como ponte, mot de passe.

Deixar um comentário