Memória, identidade e direito de retorno

Share Button

De Eran Riklis, realizador de Lemon Tree e Noiva Síria, Zaytoun é um filme capaz de mudar aspectos humanitários naqueles que já incrédulos sobre o conflito árabe-israelense. O filme narra um encontro entre um militar da aviação israelense e um garoto refugiado palestino, em Beirute, em plena guerra do Líbano de 1982.

Luciana Garcia de Oliveira

Zaytoun é considerado um desses filmes capazes de mudar a ideia do telespectador ou, ao menos reacender alguns aspectos humanitários naqueles que já se encontram incrédulos quando o assunto abordado relaciona-se ao conflito árabe-israelense e sua longevidade. O filme, do mesmo diretor de Lemon Tree e de Noiva Síria, conta a história de um encontro emocionante entre um militar da aviação israelense, Yoni, e um garoto refugiado palestino, Fahed, em um cenário de muita violência e devastação em Beirute em plena guerra do Líbano de 1982.

Antes mesmo de começar a película, logo na introdução, foram reveladas algumas imagens históricas em preto e branco de alguns ataques israelenses, que para o expectador, dão a impressão de infalibilidade na pontaria ao atingir alvos certeiros. Foi inclusive com a expressão, “precisão cirúrgica” que, a grande quantidade da literatura israelense ainda descreve os múltiplos ataques aéreos no céu do Líbano, no ano de 1982.

A complexidade diante de tantos conflitos internos, sobretudo entre libaneses e palestinos, foi magistralmente revelada em uma das cenas iniciais, no instante em que ambos disputavam o mesmo espaço para o comércio. Quando Fahed consegue vender balas para uma estrangeira, é imediatamente perseguido por outros garotos libaneses que afirmam enfaticamente: “Volte para o seu país!”. Esse clima hostil perpetrou-se durante muitos anos no Líbano, porém foi em 1982 que a hostilidade entre diversos grupos aumentaram vertiginosamente. Isso porque, muitos libaneses acusavam os guerrilheiros palestinos associados à Organização pela Libertação da Palestina (OLP), como os responsáveis imediatos pela destruição de seu país.

É possível visualizar em Zaytoun que, entre muitos guerrilheiros, conhecidos internacionalmente como fedayen que atuavam no Líbano, uma expressiva parcela desses recrutas era formada por crianças. Em uma das cenas iniciais da trama, muitos meninos aparecem em um rígido treinamento militar nos campos de refugiados na região sul de Beirute. Para aqueles que não conhecem a história palestina em sua profundidade, a cena com crianças armadas, fumando e exercendo serviços de adultos é no mínimo impactante.

zaytoun2

A história do encontro entre Fahed e Yoni ocorre dentro de um cativeiro palestino. Yoni, aviador israelense que havia sido capturado por guerrilheiros fedayen foi imediatamente mantido em uma prisão, sob a guarda de três crianças palestinas, entre elas Fahed, um garoto palestino que momentos antes havia perdido o pai em um ataque à bomba. No meio a uma série de provocações, entre ambas as partes, Fahed chama a atenção ao apontar para um mapa (que para ele, é o mapa da Palestina) afirmando que iria voltar para casa. Nesse momento, Yoni surpreende o garoto: “não há casa e não há Palestina!”.

Assim e, para melhor compreendermos as afirmativas e as negativas que permeiam o diálogo sobre a Palestina e Israel, é fundamental conhecermos à fundo a história da fundação do Estado de Israel e da Nakba (catástrofe) palestina. Foram aproximadamente após esses acontecimentos que foi imediatamente implementada toda uma legislação estatutária sobre as propriedades dos palestinos que “abandonaram” as suas casas em 1948. De acordo com a obra Pobre Nação, de Robert Fisk, “ausente, segundo a lei israelense de 1950, é todo aquele que, entre 20 de novembro de 1947 e o fim do estado de emergência, era dono legal de qualquer propriedade situada na área de Israel … e que, a qualquer tempo do referido período, fosse cidadão do Líbano, Egito, Síria, Arábia Saudita, Transjordânia, Iraque ou Iêmen ou estivesse em um desses países ou em outra parte da Palestina fora da área de Israel …”. Também é ausente quem quer que seja “um cidadão palestino e tenha trocado seu local habitual de residência na Palestina antes de 1º de setembro de 1948, ou por algum local na Palestina dominado na ocasião por forças que buscavam impedir o estabelecimento do Estado de Israel ou que lutaram contra ele depois de seu estabelecimento”. (FISK, p. 82).

A presença marcante dos palestinos em Beirute e a gradual transformação da cidade em um campo armado fez com que também os hospitais se tornassem uma extensão política dos campos de refugiados. O filme também demonstra que entre tantos pacientes, havia muitos guerrilheiros de diversas facções, alguns ainda portando uniformes e fuzis ao lado de seus leitos. Deve ter sido por isso que, em muitas ocasiões, a artilharia israelense deu pouca importância à localização dos hospitais. Nessa mesma conjuntura, era fácil identificar buracos nas ruas ao redor dos centros médicos de Beirute e muitas crateras causadas pelos “erros de pontaria” dos militares israelenses em ação.

A parcela mais atingida no auge da guerra de 1982 foram os refugiados localizados no sul do Líbano. Foi durante o auge da invasão que muitos passaram à acampar em prédios de escritórios, cinemas e shoppings abandonados. Em muitos casos, em condições extremamente insalubres, comendo e dormindo no chão, sem eletricidade e sem abastecimento de água.

A expansão do conflito Israel – Palestina no Líbano, provocou uma situação de muita instabilidade para a comunidade palestina e, muitos milicianos libaneses procuravam manter os palestinos afastados de determinadas áreas de Beirute. Ainda de acordo com Fisk, “eles tinham bons motivos para fazer isso”. A certa altura da obra Pobre Nação mencionou: “Em meados de julho, cruzei com um palestino armado na rua Nahme Yafet, um homem inteligente e destemido que eu conhecia já havia alguns anos. Ele estava incomodado com relatos de um plano para uma retirada da OLP. “Jamais sairemos”, disse com firmeza (p. 399). Em muitas ocasiões, mais parecia que o Líbano valia menos do que os refugiados palestinos.

Além do estado de completo desolamento da cidade de Beirute, a situação de caos era visível a olho nu. Em algumas esquinas era possível avistar seis exércitos diferentes, cada um protegendo suas barricadas contra o inimigo. As perdas, no entanto, eram sempre assustadoramente exageradas, o número de mais de quinhentas mortes de militares de Israel equivaleria apenas à cerca de 3,5% do total de libaneses e palestinos mortos nessa mesma ocasião.

Muito embora o número de vítimas israelenses seja considerado ínfimo quando comparado aos demais, essas baixas ajudaram à impulsionar um movimento anti-guerra em Israel, tendo o seu auge após os massacres nos campos de refugiados palestinos de Sabra e Chatila.

De volta ao filme, nesse mesmo ínterim e a fim de sair desse cenário devastador, Yoni, em acordo com Fahed, cruzam juntos à fronteira do sul do Líbano até o Estado de Israel. Durante a longa travessia, é possível notar que Fahed porta em sua mochila uma oliveira e a chave da casa de seus pais na Palestina, símbolos universais do sagrado Direito de Retorno do povo palestino da diáspora. Logo que o menino entra em solo israelense é detido pelos militares, a fim de encaminhá-lo de volta ao campo de refugiado do Sul do Líbano, a qual vivia sob a guarda de seu avô, porém a insistência de Fahed em encontrar o seu lar na Palestina convence Yoni à ajudá-lo nessa busca que, de acordo com o filme dura dias dentro de um automóvel.

A dificuldade de Yoni encontrar a casa de Fahed equivale à uma realidade pela qual já não existia o “endereço palestino” no mapa israelense, o que em determinada altura torna a busca praticamente impossível, ao mesmo tempo serviu para que Yoni se sensibilizasse com a procura, determinação e com o sentimento de pertencimento de Fahed.
Por fim, e de modo previsível, Fahed encontra a sua casa, sua certeza aumenta a medida em que coloca a chave na fechadura e ambos percebem que o encaixe é perfeito. E, a essa altura, com a crescente afinidade entre os dois personagens cresce a amizade entre os dois e, sobretudo, convence o israelense Yoni de que a Palestina existe e que foi tomada e ocupada por um novo Estado a qual também lhe pertencia. Ambos disputavam um território, Estado, identidade, memória e um lar que consideravam como sendo seu.

Essa disputa permanente e todas as suas implicações foram magistralmente retratadas em Zaytoun, o filme também retoma a importância da função social de qualquer produção artística, qual seja, transmitir ao telespectador aquilo que por diversas razões não pode ser visto na imprensa e principalmente, possibilitou humanizar os seus interlocutores em meio à uma conjuntura de muita intransigência e intolerância.

Texto originalmente publicado no Carta Maior

Share Button

Deixar um comentário