Verdade sobre Idlib (nas palavras do próprio Departamento de Estado)

Share Button

2/9/2018, Tyler Durden, Zero Hedge

Na 6a-feira o secretário de Estado Mike Pompeo distribuiu declaração antes da iminente campanha de russos e sírios para libertar Idlib ainda controlada por jihadistas.

Disse Pompeo via Twitter:

Os 3 milhões de sírios que já foram expulsos das próprias casas e estão hoje em Idlib, sofrerão com essa agressão. Nada bom. O mundo está vendo.”

Unidas, Washington e as grandes redes de ‘comunicação’ estão insistindo num possível confronto final EUA-Damasco-Rússia em resposta à ação militar de Assad em Idlib, e apresentam a província do noroeste da Síria como “última fortaleza dos rebeldes” onde Damasco só deseja “massacrar civis”.

Mas funcionários em Washington com frequência contradizem as próprias posições, e aqui temos um caso clássico, em Idlib, onde Brett McGurk — enviado especial da Casa Branca para a luta contra o ISIS, e que atua essencialmente como o diplomata pessoal do presidente no Iraque e na Síriajá descreveu a verdadeira situação em campo em termos muito francos, de franqueza realmente rara:


[Tuíto traduzido]
Brasco_Aad
@Brasco_Aad

IMPORTANTE mensagem do Enviado dos EUA para a Coalizão Global contra o ISIL – Brett McGurk – sobre a situação em #Idlib #Syria:

‘A província de Idlib é o maior paraíso seguro para a Al-Qaeda desde o 11/9, ligada diretamente a Ayman al Zawahri (atual líder da #Al-Qaeda) & isso é problema ENORME.”

O enviado especial dos EUA McGurk descreveu acuradamente.

Essa avaliação acurada e sincera, rara, foi apresentada há mais de um ano, dia 27/7/2017, num evento em Washington D.C. no qual McGurk foi um dos palestrantes, realizado pelo Middle East Institute.

Durante a discussão, McGurk disse:


“Mas temos de nos fazer uma pergunta: por que e como o pessoal de Ayman al-Zawahiri achou meio para entrar na Província de Idlib? Por que isso está acontecendo? Como continuam a chegar até lá? Afinal, não são paraquedistas…”

Pois é. Há muito tempo nos perguntávamos a mesma pergunta, especialmente no momento em que a inteligência dos EUA ajudava diretamente o “Exército do Islã”, da coalizão al-Qaeda (hoje convertido em Hayat Tahrir al-Sham) diretamente de uma “sala de operação” na Turquia.

Daquela vez, os comentários de McGurk visavam a Turquia, aliada dos EUA na OTAN, que ele acusava de facilitar a entrada de jihadistas no norte da Síria, para deslocar dali os curdos sírios apoiados pelos EUA.


” A abordagem feita por alguns de nossos parceiros, mandando dezenas de milhares de toneladas em armamentos, e fingindo que não viam esses jihadistas chegarem à Síria, pode não ter sido a abordagem ideal”
– McGurk continuou, nos comentários de 2017.

Acrescentou ainda que a al-Qaeda havia extraído “total vantagem” de a Turquia permitir o livre fluxo de armas e de jihadistas ao longo de sua extensa fronteira com a Síria.

Claro, McGurk deixou de mencionar que os EUA participavam voluntariamente de todo o processo, e durante quase toda a guerra na Síria, sempre buscando mudar o regime em Damasco. O ministro de Relações Exteriores da Turquia, naquele momento, condenou a declaração de McGurk.

Evidentemente o Departamento de Estado conta com que os públicos norte-americanos esqueçam essas ‘declarações’, um segundo depois de terem sido ‘declaradas’, como se nunca as tivessem ouvido.

Entrementes, o ministro de Relações Exteriores da Rússia Sergei Lavrov alertou o ocidente para que não interferisse contra as forças sírias e russas engajadas em ações antiterror em Idlib:


“Espero que nossos parceiros ocidentais não cedam a provocações e não obstruam uma operação antiterror,” 
disse ele.

Parece, pois, que o Departamento de Estado nos idos de 2017 realmente concordava com Lavrov, ao chamar de terroristas os ditos “militantes”, o que o Departamento de Estado, em 2018, cuida de nunca fazer. Ou, então, é apenas Washington ‘declarando’ e logo se desdizendo, como é comum, em nome de objetivos de política exterior no Oriente Médio, mais nefandos a cada dia.

Traduzido por Vila Vudu

Share Button

Deixar um comentário