Testemunha coparticipante conta como o embaixador Robert Ford ,dos EUA, instigou a “revolução” na Síria

Share Button
 

Embaixada americana em Damasco- Síria

Da série: Assim Washington monta seus golpes
20/6/2016, Moon of Alabama

Traduzido por Vila Vudu

Resposta e tuíto originais (imagem), adiante traduzidos

S. Rifai, também conhecido como @THE_47th, é um “ativista” sírio, de Homs. Esteve envolvido desde o início de 2011, quando o embaixador dos EUA Robert Ford (@fordrs58) fomentou a “revolução” na Síria. Desde aquela época, Rifai tuíta sobre a “revolução” e tem demonstrado vastos conhecimentos de ‘insider‘. No tuíto acima traduzido (imagem), S. Rifai corrige o registro da propaganda norte-americana.

O ex-embaixador Ford parece ter tido um dedo na carta de “dissidência” enviada ao presidente Obama por alguns empregados do Departamento de Estado. A carta ‘exige’ que os EUA lancem guerra aberta contra a Síria e seu governo. Ford foi recentemente entrevistado sobre a carta, em peça pró absolvição que a revista New Yorker publicou.

Na entrevista para a New Yorker Ford afirmou:


“Todos nós aprendemos do Iraque que mudança de regime não é o melhor meio para promover mudança política positiva. No caso de guerra civil, tem de haver negociação entre a oposição e o governo. A questão é como aumentar a possibilidade de que a negociação venha a ser bem-sucedida. E desde que a secretária Clinton e [ministro de Relações Exteriores da Federação Russa Sergei] Lavrov concluíram o comunicado, em junho de 2012, a política do governo não tem conseguido criar as condições necessárias para uma negociação bem-sucedida.”
Eis o que o supracitado S. Rifai respondeu ao que disse o ex-embaixador Ford (negritos meus; texto editado, para expandir a ‘taquigrafia’ do Twitter):


S. Rifai @THE_47th 5:02 AM – 19/6/2016

Não é o que você nos disse em reuniões em Damasco, Embaixador @fordrs58 . Essa não é a mensagem que você nos passou

Embaixador Ford @fordrs58, você teve mais liberdade em Damasco em 2011 que a maioria da oposição, e em todas as reuniões a mensagem sempre foi diferente do que você diz hoje

Você na verdade teve coragem, Ambassador @fordrs58, de sentar com funcionários do governo que pareciam dispostos a desertar, e a mensagem que você passou a eles com certeza absoluta não foi “negociação”

Lembra-se das reuniões em Abu Remmaneh, Malki e em casa de conhecidos dissidentes, Sr. @fordrs58, lembra-se? Lembra-se das promessas que você fez?

Posso ser muito mais específico sobre aquelas reuniões,  @fordrs58, nas não interessa nem a você nem a mim.

Detalhes eram como peidos ao vento, Sr. Embaixador @fordrs58 – O que contava era a parte de “Assad tem de sair”, que você e seu presidente disseram repetidas vezes.
Ford não respondeu imediatamente, mas S. Rifai insistiu


S.
Rifai @THE_47th 5:14 AM – 19/6/2016
@fordrs58 Assim sendo, por favor esclareça: você sempre soube que Obama queria “negociações com o governo”, mas você e seu presidente continuaram a repetir para nós “Assad tem de sair”?
Outro “revolucionário” entra na conversa:


Abdul @al_7aleem 5:36 AM – 19/6/2016
@THE_47th @fordrs58 A culpa não foi nossa se, na excitação em que estávamos, esquecemos os últimos 90 anos da história dos EUA…

S. Rifai @THE_47th ‏5:38 AM – 19/6/2016
Nem é tanto que tenhamos esquecido. É que queríamos muito a mudança de regime (…) Para nós, foi como ter outra potência na qual podíamos confiar.
Mais tarde, Ford respondeu:


Robert Ford @fordrs58 10:34 AM – 19/6/2016
Você deve lembrar que nós (a Embaixada dos EUA e outros) insistimos em que tinha de haver diálogo com o governo sírio e em que os protestos se mantivessem pacíficos
(O tuíto de Ford implica que, apesar de ele tanto ter insistido, os protestos não continuaram pacíficos. Está admitindo que os que protestavam, não o governo, iniciaram a violência.)

Manifestação em frente à embaixada americana em Damasco

Rifai discorda:

S. Rifai @THE_47th 11:36 PM – 19/6/2016
O que você esperava vs a realidade
S/viagem a Hama teve a ver com diálogo? S/reuniões com Malki tiveram a ver com paz? Está insultando minha inteligência?

@fordrs58 Quando você ficou sabendo que Manaf Tlass ou o primeiro-ministro estavam a um passo de desertar, você lhes disse que dialogassem, em vez de desertar?

@fordrs58 Onde está o “diálogo” no “Assad tem de desistir” de Obama? Assad must go, como diz Obama

@fordrs58 Quando Farouk Al Sharaa convidou a oposição para uma reunião em 2011, você aconselhou Nabil Maleh, Michel Kilo, Fayez Sara a NÃO DIALOGAREM.

@fordrs58 Será que prefere que o Embaixador da Bulgária refresque sua memória? Que tal B.R? Ou M.T? Todos estavam presentes quando você aconselhou a oposição a NÃO DIALOGAR.

@fordrs58 Você vivia a nos dar lições sobre o quanto era importante viajar pela União Europeia e fazer lobby a nosso favor, e capitalizar a nosso favor, se a UE rompesse laços com Assad.
Mais tarde, de Ford:


Robert Ford @fordrs58 7:33 AM – 20/6/2016
@THE_47th Por favor, revise seus fatos. Nunca me reuni com Fayez em 2011. Promovemos a expansão do diálogo de Sharaa, para incluir pessoas como Michel & Haithem M.

S. Rifai @THE_47th 8:10 AM – 20/6/2016
.@fordrs58 fine. Vou conseguir que eles mesmos digam o que você lhes disse. Outro assunto: por que você forneceu ajuda “não letal” a rebeldes?

@fordrs58 E quando você foi à fronteira Síria-Turquia para reunir-se com rebeldes, também insistiu muito para que eles dialogassem?
RECAPITULANDO. Ford diz agora que ele e Obama não queriam “mudança de regime” violenta imediata na Síria. Que queriam dialogar e negociar com o governo Assad.

Rifai, que lá estava desde os primeiros dias, diz que tudo isso é mentira. Nas conversas que teve com a oposição, Ford argumentou contra quaisquer negociações. Nunca falou, naquelas conversas, sobre paz ou diálogo. Os EUA eram a favor de “mudança de regime” violenta e a estavam promovendo com empenho. Os “revolucionários” tolos acreditaram.

Addendum:

Ford aplica pelo menos mais uma grossa mentira na entrevista para a revista New Yorker. Diz ele:
[Lá, em 2012, nós, no Departamento de Estado] não prevíamos que a organização da Al Qaeda se dividiria e produziria outra forma ainda mais virulenta – que uma forma muito mais extremista chegaria a controlar a parte leste da Síria entrando no Iraque.
Em meados de 2012 a Agência de Inteligência da Defesa fez circular uma avaliação de alto nível da situação na Síria na qual se lia o contrário disso. O governo Obama previu o surgimento do Estado Islâmico. Segundo (vid, 8:50) o então diretor da Agência de Inteligência da Defesa general Flynn, nada fazer para impedir que o EI se constituísse foi “decisão deliberada” [orig. “willfully decision”] do governo Obama [maiúsculas no original]:
HÁ POSSIBILIDADE DE ESTABELECER-SE UM PRINCIPADO SALAFISTA DECLARADO OU NÃO DECLARADO NO LESTE DA SÍRIA (HASAKA E DER ZOR), E ISSO É EXATAMENTE O QUE DESEJAM AS POTÊNCIAS QUE APOIAM A OPOSIÇÃO, […]

O “ESTADO ISLÂMICO NO IRAQUE” [ING. ISI] PODE TAMBÉM DECLARAR UM ESTADO ISLÂMICO, EM UNIÃO COM OUTRAS ORGANIZAÇÕES TERRORISTAS NO IRAQUE E NA SÍRIA, QUE CRIARÁ GRAVE PERIGO CONTRA A UNIFICAÇÃO DO IRAQUE E A PROTEÇÃO DE SEU TERRITÓRIO.
Ford sabia o que estava por acontecer e aconteceu. Está mentindo.*****

Share Button

Deixar um comentário