Sayyed Hassan Nasrallah: Arábia Saudita ofereceu bilhões de dólares a Israel para que ataque o Líbano.

Share Button
nasrala-discurso-arabia-hariri-israel
O secretário-geral do Hezbollah, Sayed Hassan Nasrallah revelou que a Arábia Saudita
levou Israel a atacar o Líbano.Em um discurso emitido na sexta-feira pelo Welling,
por ocasião da Arbaín do Imam Hussein e do dia do mártir do Hezbollah,
Sayed Nasrallah disse que não é uma análise, mas uma informação.
O Arbaín
A concentração grandiosa que temos atendido nos últimos anos é uma manifestação
humana e moral sem precedentes. Hoje, a cidade santa de Karbala recebeu milhões
de fiéis que se concentraram perante o mausoléu de Imam Hussian.
 Estão presentes ao redor de 20 milhões visitantes, incluindo uma maioria deles,
que vieram caminhando a pé, dos quatro cantos do mundo, de acordo com
as últimas estatísticas das autoridades iraquianas.
Há fiéis que viajaram mais de 1.000 kms da fronteira iraniana-paquistanesa.
Durante esta grande marcha, é o povo iraquiano ou os voluntários estrangeiros que
lidam com os serviços (alimentos, habitação), que são oferecidos aos fiéis, enquanto
as forças de segurança vigiam a manutenção da ordem.
Se podemos definir amor, fidelidade e sacrifício, podemos ver que eles se unem
em Karbala porque eles querem fazer  homenagem  ao  Imam Hussain,
o Senhor dos mártires e do neto do Profeta, que se sacrificou,
ele mesmo e sua família, para defender a religião e a justiça.
Ele encarna a dignidade concedida por Deus sobre os homens.
A dignidade dos mártires
Muitos dos nossos combatentes ganharam esta dignidade ao cair como mártires.
Os Mujahedin se sacrificaram para defender a pátria e seu povo.
Um dos frutos dos sacrifícios dos nossos mártires é que conseguimos libertar as nossas terras
e os nossos detidos no ano 2000, anulando assim o projeto israelita contra o Líbano.
Graças a esta dignidade, pudemos também conseguir, em agosto de 2017,
a segunda libertação do Líbano, preservando a segurança e a estabilidade no nosso país.
E hoje, estamos ajudando a derrotar a maior conspiração contra o Islã e a humanidade:
o Daesh. Este grupo, que foi criado por Obama, Clinton e Arábia Saudita,
está dando o seu último suspiro. E isto, graças aos nossos mártires.
A dignidade, estabilidade e liberdade que desfrutamos no Líbano é devida aos mártires,
não só aos do Hezbollah, mas a todos os mártires…
Líbano desfruta de estabilidade sem precedentes
A partir daqui, quero mudar-me para o Líbano, que desde o último sábado conhece uma
crise decorrente da renúncia forçada do seu primeiro-ministro, Saad Hariri.
Toda a região está preocupada com a situação no Líbano.
No ano passado, a situação no Líbano tornou-se muito estável, na sequência da eleição
de um Presidente, da formação do governo, da adoção do orçamento, do acordo sobre
a nova lei eleitoral e do diálogo entre os partidos libaneses.
Além de tudo isso, os libaneses desfrutam de segurança sem precedentes.
O primeiro-ministro Saad Hariri disse ainda há duas semanas que 9 milhões visitantes
chegaram ao Aeroporto Internacional de Beirute este ano.
Deles, 2 milhões fizeram isso nos meses de julho e agosto.
Este é o resultado da cooperação e das concessões feitas por todos os partidos libaneses,
para além da libertação das regiões orientais (dos grupos Takfiris).
No contexto deste ambiente positivo, a Arábia Saudita chamou, para a surpresa geral,
o primeiro-ministro e obrigou-o a apresentar a sua renúncia e a ler uma declaração escrita
pelos sauditas.
E, depois disso, começaram a lançar ameaças contra o Líbano.
Ingerência Saudita sem precedentes
A Arábia Saudita realizou interferências oficiais sem precedentes para forçar Saad Hariri
a renunciar.Todos os libaneses são unânimes neste momento quanto a este fato.
Hariri está atualmente em prisão domiciliar na Arábia e foi impedido de regressar ao Líbano.
A Arábia tenta eliminá-lo da liderança de seu Partido Futuro, para impor um novo líder.
Os sauditas querem um novo primeiro-ministro no Líbano e acreditam que podem impor
a sua escolha aos libaneses.
Eles também recorreram ao incitamento para tentar levar os cidadãos libanêses a lutar
e matar uns aos outros.
Arábia Saudita levou Israel a atacar o Líbano
Os sauditas também exortaram os países árabes e estrangeiros a agir contra o Líbano.
Mas o mais perigoso de tudo isso é o incitamento da Arábia a Israel para atacar o Líbano.
Eu não menciono a análise, mas eu revelo a informação. A Arábia Saudita está disposta
a pagar dezenas de bilhões de dólares a Israel por isso.
A Arábia Saudita também convocou Israel em 2006 para continuar sua agressão contra o Líbano
até a erradicação do Hezbollah. Mas as avaliações de Israel são diferentes.
É claro que a Arábia Saudita declarou guerra ao Líbano e ao Hezbollah.
Gostaria de falar com os libaneses para vos dizer que durante este ano gozamos de
grande estabilidade,prosperidade econômica e segurança.
Pelo contrário, a Arábia Saudita chama você para sabotar essa estabilidade e destruir
suas casas com as próprias mãos. Está disposto a fazer isso?
Na sua opinião, a Arábia Saudita realmente quer ajudar os libaneses?
Entendemos que a Arábia e o Hezbollah são adversários, mas os libaneses devem aprender
como e o que aconteceu na região. Na Síria, os príncipes sauditas lideraram a guerra a partir da
fronteira da Jordânia, Aman. Qual foi o resultado?
Eles destruíram a Síria. O mesmo vale para o Iraque e o Yêmen.
Eu chamo os libaneses para decidirem o seu futuro com sabedoria. Vivemos num período crucial.
Uma renúncia ilegal e inútil
De lá, condenamos esta flagrante ingerência Saudita nos assuntos libaneses. Eles não têm o direito de se intrometer no que está acontecendo em nosso país. E nós condenamos suas performances vergonhosas no aeroporto contra o primeiro-ministro Hariri. E consideramos, como membros do Hezbollah e libaneses, que a humilhação infligida ao primeiro-ministro libanês é uma humilhação de todo o Líbano.
Saad Hariri é o primeiro-ministro do Líbano. Ele não escreveu uma palavra do comunicado que ele foi obrigado a ler durante a sua renúncia.
Nós chamamos, como o bloco parlamentar do Partido Futuro tem feito, o retorno de Saad Hariri ao Líbano. Se ele realmente quer renunciar, deixe-o voltar ao Líbano e fazer o que ele deseja. Ele pode então dizer se quer permanecer primeiro-ministro ou renunciar. Mas deve regressar ao país, pois é inadmissível que o primeiro-ministro do Líbano continue numa situação de detenção domiciliar.
Consideramos, portanto, que esta demissão é ilegal e inútil, porque foi executada por coação.
Saudamos, a este respeito, a sábia gestão do Presidente Michel Aoun, e a sua coordenação com o Presidente do Parlamento (Nabih Berri), que abortou os objetivos diretos desta renúncia.
Convocamos as forças políticas e o povo do Líbano a serem vigilantes e a não prestar atenção às provocações de alguns. As pessoas devem manter a sua unidade a fim de salvar o Líbano desta crise. Não tenham medo.
O nosso patriota vai preservar o Líbano e a sua estabilidade. Confrontados com esta animosidade e contra as ameaças (sauditas) temos de assumir as nossas responsabilidades e superar as nossas diferenças.
Quanto às alegações do canal Saudita Al Arabiya sobre uma tentativa de assassinato do primeiro-ministro, as forças de segurança negaram. Tais afirmações são perigosas e mostram que a Arábia Saudita insiste em desestabilizar o Líbano.
Os israelitas estão dispostos a lançar uma guerra contra o Líbano?
No que diz respeito a Israel, rejeitamos a hipótese de uma guerra contra o Líbano, dadas as atuais condições políticas. Israel percebe que o custo de uma guerra contra o Líbano seria muito alto. Israel não precisa ir para a guerra, pode tirar proveito da situação através de outras maneiras. O escritório de Netanyahu apelou a todas as embaixadas israelenses para apoiar a Arábia em sua guerra contra o Líbano. Israel está buscando semear divisão e discórdia sem intervir militarmente.
Há duas semanas, grupos takfiris da frente Al Nusra entraram dos territórios ocupados de Israel na região Síria de Hadar, onde realizaram um ataque. Mas graças à coragem das forças sírias e dos habitantes da área, esta ação falhou.
Israel gostaria de desencadear uma guerra sectária entre os habitantes predominantemente drusos de Hadar e Al Nusra Fighters, que são maioritariamente sunitas. Temos de ser cautelosos face à possível reprodução deste cenário no Líbano.
O Hezbollah está mais forte hoje do que nunca e alertamos Israel contra qualquer tentativa de aproveitar a situação atual.
Os israelitas trabalham de acordo com seus próprios interesses. Está interessado em lançar uma guerra contra o Líbano? Eu não acho. Eles sabem a magnitude da nossa força.
Os fracassos da Arábia Saudita na região
O regime Saudita está muito irritado com o Irã e o Hezbollah e ataca o último, porque não pode lidar diretamente com o Irã. Nós entendemos sua raiva, mas não podemos admitir suas reações. Arábia, vendo todos os seus fracassos na Síria, no Iraque (onde apoiou o referendo fracassado no Curdistão), a guerra contra o Iêmen, que já passou os 1.000 dias, etc acredita que ele pode alcançar algum triunfo no Líbano.
No Yêmen, eles lançaram uma guerra atroz que causou a maior fome do mundo. O Hezbollah foi acusado de um crime histórico por condenar os crimes sauditas naquele país. No entanto, os sauditas falharam no Iêmen e acusam-nos de se mudar para lá do Irã e atirando de uma área controlada pelo Huthis o míssil que pousou no aeroporto rei Khaled de Riyadh. Na verdade, é um problema da mentalidade Saudita para desprezar os iemenitas. Sabem que eles adquiriram a capacidade de fabricar mísseis e drones. Os sauditas não acreditam nisso. Mas você deve acreditar. É porque eles subestimaram o Yêmen que eles falharam.
Desta forma, eles culpam o Irã e o Hezbollah por seus fracassos.
A Arábia também falhou na crise com o Qatar, que se recusou a submeter-se às pressões sauditas.
E no Bahrein,  mataram aos jovens e sujeitaram à uma prisão domiciliar ao aiatolá Shaykh ISA Qassem. Hoje, Bahrain está à beira do colapso. No final de cada mês, o rei do Bahrein é forçado a ir para a Arábia e os Emirados para buscar dinheiro para pagar os funcionários.
Arábia alivia Líbano porque não pode lidar com o Irã
  Não é verdade que o Líbano está o controlo do irão. O Irã, como a Arábia, tem influência no Líbano, mas, ao contrário de Riyadh, Teerã não se intromete nos assuntos libaneses. Não diz: nomear tal ou tal pessoa como primeiro-ministro. O Irã tem influência no Líbano, mas não instrumentaliza para fazer um lucro. Eu desafio você a me dar um único exemplo que contradiz minhas afirmações. Arábia Saudita procura ventilar para o Líbano porque não pode fazê-lo contra o Irã. Mas se o rei Saudita acredita que com estas medidas o eixo de resistência, ele está completamente enganado e vai experimentar novas falhas.
Não tente eliminar o Hezbollah. Ninguém pode fazer isso, quem quer que seja.
Não vamos mudar a nossa posição sobre o que está  acontecendo no Yêmen, porque esta é uma posição moral e humanitária.
O Ministro dos negócios estrangeiros da Arábia Adel al-Yubeir disse que o povo libanês é inocente sob o jugo do Hezbollah. Ele declarou que seu país vai salvar o povo libanês. Como vai fazer isso? Como foi no Yêmen? A guerra iemenita causou dezenas de milhares de mortes, a destruição de escolas, de lugares históricos… a propagação da cólera e da fome.
Os procedimentos que você tomou contra o Líbano (ameaças de ataque e incitação entre sunitas e xiitas) são capazes de salvar o povo libanês? Incitar Israel a fazer a guerra contra o Líbano é um meio de salvar os libaneses? Vocês estão aplicando sanções ao Líbano porque é um país digno e livre que se recusa a submeter-se aos ditames do Reino.
Para o libanês eu digo: não tenha medo de ameaças. Graças à nossa unidade, somos capazes de superar esta situação.
Neste dia do mártir, convocamos o libanês a aderir mais à estabilidade e preservar o nosso Estado e a nossa segurança.
Fonte: Al Manar em 11/11/2017
Traduzido por Oriente Midia
Share Button

Deixar um comentário