Rússia veta tentativa dos EUA de usar chancela da ONU para atacar a Síria 1

Share Button

Por Hora do Povo Publicado em 10 de Abril de 2018

Resultado de imagem para Raqqa

Esta foi a destruição que o bombardeio dos EUA fez na cidade síria de Raqqa

A Rússia vetou resolução apresentada pelos Estados Unidos no Conselho de Segurança da ONU com relação às acusações de que o governo da Síria teria realizado ataque químico na cidade de Douma e causado dezenas de mortes e ferimentos em centenas de civis do próprio país.

Segundo a delegação russa na ONU, o que os EUA queria é a chancela da ONU para, sob o pretexto de ‘resposta humanitária’ ao ataque químico ensaiado e executado pelos terroristas, conforme denunciam os governos da Rússia e da Síria, justificar uma agressão à Síria no momento em que os bandos bancados pelos EUA, amargando nova derrota, desta vez em Guta, batem em retirada.

A proposta de resolução norte-americana queria que a ONU fosse autorizada a compor uma comissão “independente” e que esta comissão pudesse divulgar conclusões a público a qualquer momento, sem nenhuma checagem por parte dos integrantes do CS da ONU.

Os aliados dos Estados Unidos no CS da ONU, por seu lado, se opuseram à resolução da Rússia, que também sugeria a formação de uma comissão de investigação, mas sob supervisão do próprio Conselho e que divulgasse os resultados, somente ao final das investigações, em sessão do Conselho de Segurança.

Os Estados Unidos negaram-se a formatar uma declaração conjunta que levasse em conta as preocupações russas e sírias com base no fato de que em momentos tensos anteriores, envolvendo países do Oriente Médio, a exemplo do que antecedeu ao ataque à Líbia, a ONU admitiu decisões parciais e em contrariedade à soberania deste país.

O representante da Rússia destacou: “Para que Estados Unidos quer uma comissão independente, se já chegou a conclusão unilateral de que a Síria perpetrou o ataque com armas químicas em Douma? ”

Em mais uma demonstração da inocuidade da velhaca proposta norte-americana (vetada pela Rússia), logo antes da reunião do CS da ONU foi informado pela organização da própria ONU para o controle de armas químicas, OPAC, que esta já atendeu ao convite do governo sírio e enviará uma missão da entidade para verificar as denúncias no local do suposto ataque químico.

Para corroborar o alerta russo, de que estão buscando pretexto para agredir, está o fato de que os Estados Unidos já posicionou o destroyer Donald Cook, com 60 mísseis Tomahawk a bordo e – de acordo com o portal Zero Hedge – iniciou o deslocamento de mais oito embarcações de guerra (seis destroyers, um porta-aviões e um cruzador) em direção à costa síria. Trump, que chamou o presidente da Síria de ‘animal’ diz que está em contato com “França e Inglaterra sobre a questão”.

Fica claro que a comissão pretendida pela representante norte-americana, Nikki Halley, seria para uma ‘investigação’ sob a mira dos Tomahawk. Na verdade, a busca da chancela da ONU para atacar a Síria.

Mostrando que já estava com a decisão tomada sobre agredir a Síria, Halley declarou: “A história vai gravar que, neste dia, a Rússia escolheu proteger um monstro [referindo-se ao presidente Bashar al Assad] sobre as vidas do povo sírio”.

Cinismo sem limites, pois as lágrimas de crocodilo com relação ao povo sírio já foram derramadas antes por representantes norte-americanos no que tange a diversos povos atacados pelas forças de intervenção imperiais, a exemplo dos coreanos, vietnamitas, líbios, palestinos, libaneses e iraquianos.

Como apontou o embaixador russo, Nebenzia, “EUA não busca investigar nada, está novamente tentando enganar a comunidade internacional e, de novo, dando mais um passo rumo ao confronto”.

NATHANIEL BRAIA

 

Share Button

Um comentário sobre “Rússia veta tentativa dos EUA de usar chancela da ONU para atacar a Síria

  1. Responder Irion abr 11,2018 9:49

    Um mundo melhor e mais pacífico somente poderá ser erigido sobre as ruínas do Império Ianque.

Deixar um comentário