Rússia super reforça defesas aéreas da Síria – para esfriar as “cabeças-quentes”

Share Button

Ver a imagem de origem24/9/2018, Moon of Alabama

O ministro da Defesa da Rússia anunciou hoje algumas das medidas a serem tomadas na Síria em resposta à destruição do avião russo de vigilância eletrônica e tripulação de 15 soldados. Ontem, o Ministério da Defesa da Rússia responsabilizou Israel pelo incidente.

Pouco depois do incidente, observamos cá no blog:

Por pedido pessoal de Netanyahu, a Rússia suspendeu a entrega de mísseis de defesa russos S-300s de longo alcance aos militares sírios. A possibilidade de errarem o alvo seria menor. Consequência, um 747 iraniano foi destruído e 15 soldados russos foram mortos. Netanyahu pode esquecer: acabaram-se os ‘favores’ de Moscou.

Ontem, acrescentamos:

O incidente terá consequências em vários níveis. Para começar – o espaço aéreo ao longo da costa da Síria estará, doravante, fechado para voos israelenses.

A defesa aérea síria será reforçada e modernizada. O pessoal receberá treinamento mais especializado. Mas a questão mais sensível para os militares israelenses, muito provavelmente, será o esfriamento das relçaões com as forças russas. Agora, acabou. Se tentar mais dessas brincadeiras, Israel leva fogo.

Essas medidas previstas são precisamente as que o ministro Shoigu da Defesa anunciou hoje. A Síria receberá os S-300s; sua defesa aérea será atualizada; e a costa da Síria será mais pesadamente defendida:

MOSCOU, 24 de setembro./TASS/.  Dentro de duas semanas, o Exército Árabe Sírio receberá da Rússia os mísseis S-300s de defesa, para reforçar suas capacidades de combate, depois de um avião russo Ilyushin Il-20 ter sido derrubado na Síria, disse nessa 2ª-feira o ministro Sergei Shoigu da Defesa.

A Síria encomendou os sistemas S-300 em 2013, mas a Rússia não completou a entrega, a pedido de Israel. A Síria também tinha necessidades mais urgentes, especialmente de sistemas de defesa aérea de curto alcance, que a Rússia entregou em grande quantidade. Esses sistemas permitiram que a defesa aérea da Síria neutralizasse grande número de mísseis cruzadores dos EUA  disparados contra o país em abril. Os sistemas S-300s, com alcance de até 250 km, poderão alvejar aviões israelenses sobre o Líbano e também em profundidade dentro do espaço aéreo de Israel.

A entrega dos S-300, a ser feita por aviões cargueiros russos, já começou.

vários subtipos desse sistema e muitas diferentes combinações de radar para guiá-los. Ainda não se sabe que tipos, exatamente, serão entregues à Síria, nem a quantidade. Os primeiros serão instalados, provavelmente, para proteção da capital Damasco.

Shoigu também anunciou que as defesas aéreas da Síria serão agora equipadas com sistemas IFF russos [sobre isso, ver também “O ataque ao IL-20 russo”, 19/9/2018, Andrei Martyanov, Unz Review, traduzido no Blog do Alok (NTs)]:

“Os postos de comando da defesa das forças aéreas e unidades sírias serão equipadas com sistemas automatizados de controle, só fornecidos às forças armadas da Rússia. Essa providência facilitará o controle centralizado sobre todas as forças e recursos da defesa aérea da Síria, o monitoramente da situação no ar, e garantirá a emissão operativa de ordens. Mais importante, garantiremos a identificação de todas as aeronaves russas pelos sistemas de defesa aérea da Síria” – disse Shoigu.

Os sistemas Identification Friend or Foe [Identificação Amigo ou Inimigo] são o santo graal de qualquer força aérea. Com um sistema IFF, um radar de defesa área emite um sinal de alerta a qualquer avião não identificado que seja detectado. Se o código estiver correto, aeronave amiga responderá com um sinal de identificação. O sistema usa frequências especiais, criptografia forte e o código, mudado diariamente, é mantido ultra secreto. (Regras de procedimento da OTAN exigem que sempre sejam dois os oficiais encarregados de qualquer atualização desses códigos.) A Rússia não entregou esses códigos à Síria, pelo risco de que vazassem para inimigos potenciais. O mais provável é que sempre haja oficiais russos nos postos de comando da defesa aérea síria, para esse tipo de operação.

A Rússia também tomará outras medidas de guerra eletrônica para prevenir possíveis ataques próximos às suas bases na Síria:

A terceira providência anunciada pelo Ministério de Defesa da Rússia é um conjunto de contramedidas eletrônicas no litoral sírio, que “desabilitarão sistemas de navegação por satélite, sistemas de radar embarcados e comunicações de aeronaves que tentem atacar o território sírio.”

Shoigu disse que são medidas que visam a “esfriar os ‘cabeças-quentes’ e impedir que ações mal concebidas criem riscos para nosso pessoal”. Acrescentou que se desenvolvimento desse tipo não for suficiente, os militares russos “agirão conforme a situação”.

A área onde esses equipamentos eletrônicos serão implantados com certeza inclui grande parte do Líbano, cujo espaço aéreo Israel usou várias vezes para atacar a Síria.

E haverá também medidas políticas a serem tomadas contra Israel, que ainda não foram anunciadas.

Israel sabe que pode fazer bem pouco contra as respostas russas ao seu ataque traiçoeiro. Por isso, já há deputados israelenses  que começam a exigir  que os EUA envolvam-se mais amplamente na Síria. Os militares norte-americanos não gostarão disso.

Traduzido por Vila Vudu

Share Button

Deixar um comentário