Reconhece o Líbano o fim da guerra na Síria?

Share Button

O Presidente libanês, Michel Aoun, teria tido uma conversa telefónica com o seu homólogo sírio, Bashar al-Assad.

Ora, desde o início da guerra na Síria, apenas o Presidente russo, Vladimir Putin, e o Presidente da Ossétia do Sul, Anatoly Bibilov, têm contactos oficiais a esse nível com a República Árabe Síria.

A maioria dos Estados do mundo considera que a guerra na Síria é uma «guerra civil», enquanto a Rússia e a Ossétia do Sul afirmam que é uma agressão estrangeira por parte de jiadistas interpostos.

Em Junho de 2012, os diferentes partidos libaneses concluíram a Declaração de Baabda [1] na qual se comprometeram a não deixar as instituições libanesas intervir na guerra. Ora, os Partidos signatários envolveram-se eles mesmos no conflito, primeiro a “Corrente do Futuro” de Hariri, pelo lado dos jiadistas, depois muito mais tarde o Hezbolla pelo lado de Damasco.

O Presidente Michel Aoun considera por sua vez que, desde a Cimeira Putin-Trump, em Helsínquia (16 de Julho de 2018), a política de «distanciamento» já não tem razão de ser. Cabe-lhe, portanto, reconhecer a vitória do Presidente Bashar al-Assad e de negociar directamente com ele o retorno dos refugiados e a normalização das suas relações.

Pelo contrário, outros responsáveis políticos libaneses, que consideram a presidência de Trump como um acidente passageiro e a Cimeira de Helsínquia como nula e sem efeito, continuam ligados à Declaração de Baabda imaginada por Barack Obama e Hillary Clinton na véspera da primeira Conferência de Genebra.

Tradução
Alva


[1] « Déclaration de Baabda », Réseau Voltaire, 11 juin 2012.

Share Button

Deixar um comentário