Preço do petróleo cresce após relatos de conflitos na Líbia 1

Share Button

Líbia, petróleo, preço

Foto: rostec.ru

O preço mundial do petróleo continuou a aumentar progressivamente nesta segunda-feira, 29, após relatos de conflitos na Líbia.

Em 14 de dezembro, o governo do país havia declarado força maior em dois portos de petróleo. Além disso, o conflito armado entre milícias islâmicas e as autoridades locais prejudicaram cerca de metade da capacidade de exportação de petróleo da Líbia. As tensões no país foram elevadas após um terminal de petróleo líbio ter sido incendiado.

O preço do petróleo vem subindo devido à possibilidade de ocorrer uma quebra no fornecimento de matéria-prima a curto e médio prazo. A Líbia produzia 580 mil barris diários em novembro, mas o conflito reduziu a produção para 230 mil barris por dia.

No final de 2010, antes da queda de  Muammar Khadafi e da guerra civil no país, este valor era de 1,59 milhões de barris diários.

De acordo com o analista chefe de mercado da empresa Avatrade, Naaem Aslam, “perturbações geopolíticas sempre preocupam o mercado e a Líbia é um membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). Por isso, o rali de hoje é passo preocupante após o recente leilão”.

Share Button

Um comentário sobre “Preço do petróleo cresce após relatos de conflitos na Líbia

  1. Responder Kosar maio 7,2015 6:11

    There are many countries that need our prraeys, many places in the world where inequity, horror and evil exists. Iran is only one. We should speak out against all of them but I do not believe we should pick and choose where we apply our influence. If our motives were truly pure, we would have invaded North Korea long before we invaded Iraq and we would have taken on evil dictaters like Idi Amin. So the election in Iran has been a sham. We should be no more vested there than in any other country. We sat by and watched millions die in Africa. We’re afraid to fight North Korea where there are no elections and the people live in a hell of their dictater’s making. Iran is far down my list of priorities if the US is going to directly address the situations in other countries. If the people in N Korea and \or Africa were as strong, organized & educated as the protesters in Iran, I might feel differently, but the peoples of those countries are truly oppressed and hopeless and need us a hell of a lot more than Iranians.

Deixar um comentário