Os exércitos sírio e turco tentam ocupar o terreno

Share Button


14 de Outubro de 2019 – 17h30 GMT — Assiste-se a uma verdadeira Blitzkrieg no Nordeste da Síria.

Informações múltiplas e contraditórias chegam-nos ao mesmo tempo sem que tenhamos os meios para as verificar. Só os Estados com acesso a vigilância aérea ou de satélite o podem fazer em tempo real.

O Exército turco e as suas milícias turcomanas (pouco a pouco chamadas de «exército sírio livre» ou «exército nacional síri0») tentam não apenas invadir a faixa fronteiriça de 32 quilómetros, mas estender-se para o resto da zona ocupada pelo Rojava (quase um terço da Síria). Os Turcos teriam tomado aos Curdos Tal Abyad e Ras al-Ain (na faixa fronteiriça), mas os Turcomanos estariam a bater-se com os Sírios em Manbij (fora da faixa fronteiriça).

O Exército árabe sírio (o da República Árabe Síria) moveu-se em várias direções no conjunto do Rojava a uma velocidade impressionante e assumiu rapidamente posições nas principais cidades, incluindo Raqqa e Hassaka. Um comando aerotransportado chegou a Qamishli (que devia cortar em duas a faixa fronteiriça de acordo com o esquema negociado antes da operação turca).

Regressados à sua base, os negociadores do Acordo de Hmeimim declararam que não estavam mandatados para abandonar o projeto Rojava. O Acordo deverá pois ser interpretado como uma simples aliança tática entre duas forças «soberanas». Existiria, assim, uma crise no seio da direção das YPG.

Todas as forças dos EUA retiram à exceção de 150 homens da base de Al-Tanf, na autoestrada Damasco-Bagdad, na proximidade da Jordânia.

Os Estados Unidos retomaram a acusação da Turquia segundo a qual a fuga de 785 membros de famílias do Daesh(E.I.) do campo de Ain Issa teria sido organizada, propositadamente, pelas YPG para fazer pressão sobre os diferentes protagonistas.

Tradução
Alva

Share Button

Deixar um comentário