O que há por trás de Boko Haram e a propaganda da mídia?

Share Button
091911-global-boko-haram
por Maximiliano Sbarbi Osuna  – analista político –  RTonline

É surpreendente que , durante sua reunião dias atrás, o presidente da França, François Hollande , os líderes da Nigéria, Níger, Chade , Togo, Benin e diplomatas da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos afirmaram ignorar quem ou como fora financiado o grupo terrorista nigeriano Boko Haram , que detém cerca de 270 meninas raptadas desde um mês atrás. Também é curioso que Paris e Washington só agora comecem uma campanha de conscientização contra esse grupo extremista, que desde 2009 já matou cerca de três mil pessoas.

Quem financia Boko Haram ?

A conspiração entre a OTAN e a Al Qaeda para o Magrebe islâmico em 2011, através do qual o Ocidente e o extremismo conseguiram derrubar e assassinar o Kadafi, para assim dividir o petróleo, os aquíferos, armamentos e riqueza da Líbia, e estabelecer um assentamento permanente em Benghazi onde o destino da Primavera Árabe seria orquestrada a favor do Ocidente.

Como exemplo, foi de lá que foram enviados recursos, armas e homens para a Síria. Mas a quantidade de armas pesadas que Gaddafi havia armazenado, comprados da Rússia e do Ocidente, foram roubadas e vendidas no mercado negro através do deserto do Saara , terminando nas mãos de Ansar Dine ( grupo extremista em Mali) , os rebeldes na República Centro Africano e Boko Haram , os guerrilheiros muçulmanos no norte da Nigéria .

Sabia-se que os armazens com armas que estavam espalhados por toda a Líbia, e que foram abandonadas após o bombardeio da OTAN, teriam como destino os grupos extremistas que lutaram contra o Gaddafi antes de 2011 e por eles seriam saqueados e distribuidos.

De fato , a França foi um dos países mais enfaticamente promoveu o ataque à Líbia.
Além disso, uma pesquisa divulgada pelo The Nigerian Tribune e reproduzida em vários meios cita uma organização de caridade de Londres que arrecada fundos para Boko Haram : seu nome é Al- Muntada Fundo Fiduciário .

Desde 2009 os extremistas se tornaram conhecidos fora da Nigéria , mas só em 2011 conseguiram armas da Al Qaeda e foram treinados em 2012 no norte do Mali , antes da intervenção francesa.

O grupo malinês Ansar Dine Boko Haram foram treinados pela Al Qaeda no Magrebe Islâmico durante a anarquia no Mali em 2012.
Há analistas que sugerem que a Arábia Saudita financiou indiretamente nigerianos assim como blocos de extremistas chechenos , Talibans , rebeldes sírios , etc .

Além disso, há cerca de dez anos,houve uma sangrenta tomada de reféns em uma escola em Beslan , Ossétia do Norte (Rússia), por extremistas islâmicos financeiramente apoiados pelo reino saudita. Como visto o modus operandi é semelhante.
Por que a França e os EUA estão envolvidos?

Paris irá fornecer conselheiros militares para ajudar o exército nigeriano para libertar as meninas capturados.

Mas a França não está preocupado com o extremismo islâmico , bem como outras ameaças que existem na África. Então interveio no Mali em 2012 na África Central em 2013 e 2014 , após o golpe e cuida bem de seus aliados, Níger ( país do qual extraíu urânio para suas usinas nucleares ) e da ditadura do Chade.

Enquanto isso, EUA também teme um monte gigante mais difíceis de lidar do que o terrorismo islâmico. Essa ameaça é chamada China, e a crescente relação entre Pequim e os países africanos assusta as empresas ocidentais .

Principalmente porque a China em troca da extração de recursos (petróleo, gás , minerais e metais preciosos ) investe em infra-estrutura e desenvolvimento social dos países aos quais está associado .

A presença chinesa continua a ser desigual , uma vez que Pequim extraídas as matérias-primas em troca de produtos de valor agregado , e também no caso da Nigéria, tem despejado resíduos tóxicos no Delta do Níger .

Em vez disso , as empresas Total, Chevron e Shell e as elites locais corruptas saquearam os recursos aprofundando ainda mais a desigualdade na África Central e Ocidental .

Por isso, a campanha da mídia em demonizar este grupo extremista é usado pelas potências ocidentais para legitimar sua presença militar e controle com uma desculpa altruísta , mas realmente não pretende perder terreno nas mãos da China , o que requer matérias-primas africanas para sustentar crescimento .

A concorrência com a China na África chegou a um tal ponto que Washington dividiu o Sudão em duas partes separadas e independentes : a produtora de petróleo aliada do Ocidente ( Sudão do Sul) e a que não tem petróleo , mas tem a infra-estrutura para exportar óleo crú ( Sudão do Norte ) que são próximos da China.

Controle e manipulação

Estados Unidos , além de conter a China tem outros dois objetivos. A primeira é localizar AFRICOM , é o Comando Central Africano , em algum lugar do continente, que está atualmente em Stuttgart , Alemanha.

Em Benghazi, não pôde ser estabelecida por confrontos entre facções , que ainda não conseguiu consolidar o poder na Líbia. A luta interna chegou, neste 11 de setembro de 2012, para os EUA, quando o embaixador dos EUA na Líbia foi morto no consulado .

Nigéria pode ser um bom local para o AFRICOM , com a cumplicidade do presidente nigeriano, Goodluck Jonathan , nascido na região sul produtora de de petróleo, e que esqueceu o norte pobre e muçulmano , aprofundando a desigualdade já escandalosas no país mais povoado da África.

Embora os EUA estejam próximos de recuperar sua independência energética , graças à extração de gás de xisto , as empresas multinacionais precisam dar continuidade a seus negócios na extração e exportação de hidrocarbonetos .
Estados a serviço das multinacional

É usual em vários países africanos, que as empresas multinacionais apoiadas por potências, financiem mercenários dos poderes locais contra outras empresas, disfarçando estas lutas de ” conflitos étnicos ” .

No Delta do Níger são cotidianas as sabotagens contra o oleoduto ou contra trabalhadores das empresas petróleras. É possível que Boko Haram seja um grupo extremista próximo a Al Qaeda ou que também seja parte desta estratégia imperialista de contratar uma mão de obra militar local para deslocar empresas concorrentes.

Face ao exposto, pode Hollande ignorar o que se tece por detrás do extremismo de Boko Haram ?

 

Texto completo em: http://actualidad.rt.com/expertos/osuna/view/128555-hay-detras-boko-haram-propaganda-mediatica

Share Button

Deixar um comentário