O Enigma Saudita

Share Button

Por Nasser Kandil. Traduzido pelo Oriente Mídia.

Tudo indica que a Arábia Saudita não conseguirá manter seu prestígio e sua posição regional e global no contexto que o fez na era pós Jamal Abdel Nasser. Desde 1979, há duas correntes regionais: O eixo da resistência numa aliança do Irã até a Síria, e o eixo de Camp David cujos pilares são a Arábia Saudita, Israel e os Estados Unidos.

O ano de 2000 foi um divisor de águas com a resistência liberando o sul do Líbano, mas o eixo de Camp David respondeu com duas guerras, no Afeganistão e no Iraque. Em 2006, os eixos se confrontaram novamente e começaram os preparativos da retirada norte americana do Iraque e do Afeganistão.

Em 2010, começou o rejuvenescimento do eixo de Camp David num contra ataque através de revoltas populares, legitimidades religiosas e democracia sob a bandeira do Império Otomano e da Irmandade Muçulmana, faltando desatar apenas o nó Sírio.

A guerra na Síria mudou tudo deixando o eixo da Resistência mais próximo de uma vitória histórica. Os Estados Unidos preparou uma apólice de seguro dividindo os papeis com a Rússia e a China na qual todos saem ganhando.

A Arábia Saudita está incapaz de se adaptar a tais mudanças. A maldade e o ódio são estratégias que levam a derrotas. A menos que a Arábia Saudita se readequar a seu novo tamanho, ela irá entrar numa era de desintegração.

Esse é o destino das históricas arrogâncias trazidas por seus líderes idiotas em momentos de grandes transformações.

Nasser Kandil é conceituado analista político libanês, editor da Nova Agência de Notícias do Oriente Médio.

Share Button

Deixar um comentário