O ciclone do petróleo chegando!

Share Button

7/6/2018, Pepe Escobar, pelo Facebook

Aí vai a versão curta e doce.

Analistas amigos enviam uma tonelada de estudos técnicos sobre o colapso histórico da perfuração de novas reservas de petróleo.

Todos conhecemos o básico dos baixos preços do petróleo nos últimos quatro anos; tática para ferir, sobretudo, a Rússia. Paralelamente, houve uma aceleração da taxa de depleção – cerca de 8 milhões de barris/dia.

Como especialistas em energia explicam, a extração de petróleo caiu cerca de 50% a partir de 2014 até agora. A média de substituição de reservas teria sido de cerca de 4 milhões de barris/dia – dos oito milhões de barris/dia perdidos para a depleção.

Nos EUA, o crescimento da produção foi de cerca de 1 milhão de barris/dia – em petróleo de xisto. Assim, a redução líquida por ano, por depleção, é de cerca de 3 milhões de barris dia. Depois que a extração voltar a subir – o que absolutamente NÃO está acontecendo – há um lapso de 4, 5 anos, entre o início da extração e o tempo da produção.

Essa queda de três milhões de barris/dia não inclui o colapso de 1 milhão de barris/dia da produção na Venezuela – colapso hoje acelerado, mais o possível colapso na produção no Irã por conta das sanções (um milhão de barris/dia).

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo, OPEP, e a Rússia só podem suprir, no máximo, um milhão de barris/dia.

Resumo da ópera, o que os especialistas em petróleo estão dizendo é que mesmo que a produção da Venezuela não colapsasse, e a situação com o Irã não fosse explosiva, o preço do petróleo em todos os casos teria de subir só por contra da depleção.

Os especialistas insistem que é mito que a OPEP tenha tido corte de 1,8 milhão de barris/dia na capacidade.

Dizem que está mais para um milhão de barris/dia – que se equilibra no esgotamento natural por depleção que não pode ser reiniciada baseada no colapso da perfuração por cerca de cinco anos, se a perfuração crescesse nesse tempo.

Ao longo do século passado, os ciclos de crescimento e colapso na indústria do petróleo deveram-se a esses complicados fatores técnicos.

Assim sendo…

… o preço do petróleo no final de 2018 deve estar acima de $80 o barril.

E o preço DEVE COMEÇAR A SUBIR ao longo dos próximos três anos, exclusivamente por conta da depleção.

Acrescente a isso algo que ainda é top secret e não foi oficialmente confirmado, mas, segundo 100% de fontes confiáveis, a Rússia já iniciou um programa para desviar a maior parte de suas exportações de petróleo e gás natural para a China.

Sábado que vem, em Qingdao, Putin e Xi ESTARÃO discutindo exatamente isso, em detalhes, na reunião de cúpula da Organização de Cooperação de Xangai, OCX.

As exportações russas de petróleo para a China subiram 30%. As exportações russas de petróleo para a União Europeia caíram 40%. As explicações oficiais da Rússia culpam as “sanções”. Se a Alemanha não acordar, e depressa, há alta possibilidade de que todas as exportações russas sejam encaminhadas, ao longo do tempo, para China e Ásia.

Acrescente a isso a absoluta impossibilidade de o governo Trump fazer guerra contra o Irã. Se tentasse, a resposta iraniana seria devastadora, incluindo o cenário de guerra real, de destruição total da produção de petróleo em todo o Oriente Médio.

E se cerca de 25% do petróleo do mundo for cortado, como delineei em artigo recente para Asia Times  (publicado aqui http://www.orientemidia.org/geopolitica-de-petroleo-e-gas-aproxima-se-uma-tempestade-de-petroleo-russia-sauditas-e-ira-tem-todas-as-cartas/) o evento detonaria a bomba mãe de todas as bombas de destruição em massa: o quadrilhão de derivativos que pendem sobre a cabeça do sistema financeiro global.

EM TEMPO:
O gráfico de Hubbert, de que falou o prof. Sauer em Duplo Expresso (7/6/2018), está em https://www.sciencenews.org/sites/default/files/2016/05/main/articles/061116_book_graph.png
Encontrei o gráfico, nos comentários ao texto acima, de Pepe Escobar. Todos los fuegos el fuego

Traduzido por Vila Vudu

Share Button

Deixar um comentário