Morte do general Qassem Souleimani deve coesionar o Irã, diz especialista

Share Button
Resultado de imagem para general iraniano


03.jan.2020 (sexta-feira) – 14h26

No curto prazo, a morte do general Qassem Souleimani deve fragilizar o Irã. A reação interna, porém, deverá ser de aglutinação em torno do regime do aiatolá Ali Khamenei. A avaliação é do professor Salem Nasser, do Direito Internacional da FGV (Fundação Getulio Vargas), que estuda o Oriente Médio.

Qassem Souleimani era 1 dos homens mais poderosos do Oriente Médio. Tratava-se do principal comandante do setor de inteligência e das forças de segurança iranianas. Ele também era 1 herói nacional no Irã, representando a resiliência do país contra as retaliações internacionais dos EUA.

Ele foi morto na madrugada de 6ª feira (3.jan.2020) em Bagdá, no Iraque, em 1 bombardeio dos EUA ordenado pelo presidente americano Donald Trump.

De acordo com Nasser, a morte do militar também tem peso na reconstrução da imagem do Irã junto ao Ocidente. “O ataque e a morte de Souleimani, do modo como se deu, fortalece essa imagem de que os fora da lei são outros”.

Ele também afirma que o país persa deverá buscar respostas regionais à agressão, e que tem ainda tem meios de dissuadir os EUA de uma atitude mais drástica.

O professor respondeu ao Pode360 por e-mail. Leia a íntegra da entrevista:

Quão relevante é a morte de Qassem Souleimani na política do Oriente Médio?
Muito importante! Souleimani era o chefe militar da Força Al Quds (nome árabe para Jerusalém) da Guarda Revolucionária. Uma força voltada para fora, para a região, cuja função é treinar, organizar, coordenar e articular as ações dos aliados na região. Era peça central no chamado Bloco da Resistência que, como se vê, tem na Palestina seu centro gravitacional, simbólico e também como objetivo estratégico final. Ele estava envolvido em todos os grandes campos em que o Bloco da Resistência estava fazendo face aos Estados Unidos, a Israel e a seus aliados na região, o que inclui a Arábia Saudita. Era visto como gênio militar e grande responsável por tantas das vitórias relativas do bloco nos últimos tempos. 

Ataques externos como esses fortalecem o governo iraniano e o aiatolá Ali Khamenei?
A perda é relevante e, nesse sentido, é uma razão de fagilização momentânea. Por outro lado, o Irã tem conseguido reverter com grande sucesso nos últimos anos a imagem que dele se fazia no Ocidente, como o Estado fora da lei. A partir do acordo nuclear, pelo menos, ficou claro para quem queria enxergar que o Irã era um ator racional e bom de jogo estratégico. Conseguiu se legitimar como ator regional importante e que cumpre seus compromissos. O ataque e a morte de Soleimani, do modo como se deu, fortalece essa imagem de que os fora da lei são outros. É claro que a reação interna é de aglutinação em torno do regime, quando o país se vê atacado. 

Qassem Souleimani era muito querido no Irã, e já há protestos em Teerã pedindo “vingança”, nas palavras da CNN Internacional. Governantes iranianos falam nos mesmos termos. Que tipo de reação o Irã tem condições de executar?
O mais provável é que a resposta venha bem pensada e com calma. Os iranianos vão tentar respostas que tenham a força simbólica equivalente à ofensa, mas que não levem a uma conflagração aberta. Em seguida, vão intensificar as ações contra os Estados Unidos na região, em coordenação com seus aliados ou isoladamente; isto quer dizer, no Iraque, na Síria, no Golfo, contra as bases americanas, etc. O objetivo será a expulsão dos Estados Unidos da região, pelo desgaste constante. 

Até onde esse conflito pode escalar? É realista, por exemplo, esperar que os EUA façam em território iraniano ataques como esse feito em Bagdá?
Como disse acima, acho difícil uma conflagração geral, e um ataque ao Irã seria um bom modo de começar esse tipo de guerra. Os Estados Unidos não estão prontos para enfrentar as consequências de algo assim.

Irã tem aliados suficientes para ter algum poder de dissuasão contra os EUA?
Sem dúvida. O Hezbollah no Líbano colocou limites muito claros ao potencial de ação de Israel. A Síria se manteve firme e também participa da dissuasão. No Iêmen, os Houtis impõem vergonhosas derrotas aos Sauditas. Na Palestina, a resistência consegue impor medo a Israel. No Iraque, a milícia popular, cujo chefe militar foi morto com Souleimani, é talvez a maior força e venceu o Estado Islâmico. Ninguém invadirá os Estados Unidos, mas, na região, catástrofes podem acometer os interesses americanos.

Publicado pelo site poder360

Share Button

Deixar um comentário

  

  

  

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.