Mais de 8.000 terroristas foram mortos ou feridos em Latakia em 10 dias

Share Button

Fonte Al Manar – traduzido por Natalia Forcat

Mais de 8.335 terroristas foram mortos ou feridos em Latakia durante os combates que estão acontecendo na provincia, localizada a noroeste da Síria, há 10 dias.

Segundo informou nesta terça-feira a Agência Síria Now, citando televisão turca, cerca de 2.700 milicianos foram mortos e 5.635 feridos nos combates. Estes últimos foram evacuados para hospitais turcos, localizados perto da fronteira.

Auxiliado pela Turquia, militantes da frente Al Nusra, ligado à Al-Qaeda e a Frente Islâmica, financiada pela Arábia Saudita, lançaram uma ofensiva, batizada com o nome de “Al Anfal” para tentar tomar o controle de algum ponto no litoral sírio perto Turquia. Eles realizaram este ataque depois da tomada pelo exército Sírio, da cidade de Yabroud e outras cidades de Qalamun, região perto de Damasco.

Com a ajuda da artilharia turca, estes grupos tomaram a cidade fronteira de Kassab (ou Kessab), habitada principalmente por sírios de origem armênia.

Alguns dias atrás, o exército Sírio lançou uma contra-ofensiva que permitiu a recuperação da colina Observatório 45, onde foi içada a bandeira Síria.

Segundo o site da informação sírio Hadath News, as forças do governo sírio conseguiram deter o avanço dos militantes e causaram perdas pesadas a estes. A localização dos grupos ficou limitada a um triângulo, interligando as cidades de Kassab, Sarmento e como Salma às colinas que as rodeiam. Nesta área, os grupos armados tiveram que enfrentar um dilúvio de fogo, por terra e ar, o que explica a enormes perdas.

As “águias do Saara” em ação

O contra-ofensiva militar foi possível graças à entrada em ação de uma unidade de combate especial criada pelo Exército Sírio e batizada com o nome de “As águias do Saara”. Esta unidade realizou missões em Homs, na fronteira com o Iraque, a fim de interromper as rotas de suprimento dos militantes, e na fronteira com a Jordânia, de acordo com o site libanês elnashra.

Essa força-tarefa, composta de soldados de elite do Exército Sírio e voluntários das Forças de Defesa Nacional, está equipada com armas pequenas e médias, que é apoiada pela artilharia do Exército. O grupo é especialista em emboscadas e execução de missões especiais difíceis.

Enquanto soldados do Exército regular e combatentes das Forças de Defesa Nacional chegam em grandes quantidades para a zona de conflito, tanques tem sido colocados estrategicamente nas colinas em torno de várias cidades.

Manifestações no sul da Turquia

Ao mesmo tempo, regiões turcas na fronteira com a Síria foram palco recentemente de manifestações realizadas pelos residentes para protestar contra a política turca de interferência no vizinho país e pelo apoio turco aos terroristas da Al Qaeda e outros.
De acordo com a agência de notícias Asia News, durante uma manifestação na aldeia de Hreibate, na tarde de segunda-feira, os manifestantes atacaram uma ambulância que transportava militantes árabes e sírios feridos e que estava indo para um hospital na cidade de Antakia.

Os manifestantes também exigiram ao governo turco que pare de fornecer apoio aos terroristas na Síria com armas e munições.

Share Button

Deixar um comentário