Judeus Antissionistas: Claudio Lottenberg mente 5

Share Button

Oriente Mídia

IJAN_week_of_action_large_sticker_color_flat
Em artigo recente, publicado na Folha de São Paulo em 27/09/2014, Cláudio Lottemberg, presidente da Confederação Israelita do Brasil (CONIB), ataca quem critica a atual violência destrutiva de Israel contra a população civil de Gaza e a sua infraestrutura básica (prédios, ruas, escolas, hospitais, igrejas, mesquitas e centrais elétricas) acusando-os de antissemitas.

Não é nova a tentativa de desviar do assunto principal, ou seja, os crimes cometidos contra a população autôctone palestina pelo Estado de Israel, apontando para outros assuntos ou tentando se colocar em qualidade de vítima de algum tipo de preconceito. No artigo, Lottemberg afirmou que o antissionismo (ou seja, a crítica à ideologia que sustenta o apartheid e o racismo do Estado de Israel) nada mais é que “uma nova máscara do velho antissemitismo”.Oriente Mídia entrevistou David Comedy, membro da Rede Internacional de Judeus Antissionistas e pedimos para ele elaborar uma resposta às acusações de Lottemberg, que publicamos a seguir.

Quem quiser lêr o artigo de Lottemberg, chamado “Antissionismo é antissemitismo” pode acessar este link.*

Claudio Lottenberg mente

O artigo de Claudio Lottenberg começa com mentiras e termina com mentiras.

Primeiro, a ONU não decidiu dividir a Palestina em dois. Não decidiu tão simplesmente porque a ONU não tem mandato para dividir o que não lhe pertence. A Resolução 181 de 1947 da ONU foi uma recomendação, que deveria ter sido discutida entre os habitantes palestinos, e não utilizada de forma unilateral pelos colonos sionistas europeus para realizar uma limpeza étnica assassina contra a população palestina autôctone.

Foram os massacres perpetrados pelos sionistas contra o povo palestino os que levaram alguns estados árabes vizinhos, respondendo ao clamor por solidariedade de seus povos, a enviar tropas para a Palestina em sua defesa. Como se sabe, essas tropas foram repelidas pelo exército colonial sionista, bem equipado, quem aproveitou a oportunidade de ampliar suas fronteiras além do que o injusto plano de partilha da ONU tinha recomendado.

Não é ser antissemita negar ao sionismo seu suposto “direito” de cometer os crimes de limpeza étnica, apartheid e genocídio contra o povo palestino.

De fato, esse “direito” não está implícito na Resolução 181 da ONU ou qualquer outra parte que não seja na doutrina colonialista expressada no artigo de Cláudio Lottenberg. É o sionismo que se otorgou o “direito” de poder cometer crimes, e por isso é o dever de todo bom cidadão lutar contra o sionismo, assim como contra qualquer forma de injustiça.

A limpeza étnica continua; não aconteceu apenas entre 1947 e 1948: vemos agora um bloqueio assassino e 3 grandes massacres de grande escala contra populações desprotegidas e desarmadas cometidos pelo exército colonial de Israel contra Gaza, vemos as fronteiras dos assentamentos sionistas em expansão na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental a todo vapor, vemos o deslocamento forçado de populações de beduínos no deserto do Negev / Naqab, vemos a discriminação e o assédio da população palestina da Galiléia.

Todos esses crimes não podem ser aceitos como a “auto-determinação do povo judeu”, porque a auto-determinação de um povo nunca pode constituir uma negação da autodeterminação de outros povos, nem legitimar o crime organizado.

Diferentemente do sionismo criminal, nós, da Rede Internacional de Judeus Antissionistas, comprometemo-nos incondicionalmente com as lutas de emancipação humana, entre as quais a libertação do povo palestino e sua terra é uma parte fundamental. Nosso compromisso é o desmantelamento do apartheid israelense, o retorno dos refugiados palestinos, e o fim da colonização israelense da Palestina histórica.

A histórica e contínua limpeza étnica de palestinos de suas terras perpetrada pelo Estado de Israel contradiz e trai uma longa história de participação judaica em lutas de libertação coletiva. O sionismo – a ideologia fundadora que se manifesta atualmente no Estado de Israel – criou raízes na era do colonialismo europeu e se espalhou após o genocídio nazista. O sionismo baseou-se nos atos mais violentos e opressivos do século XIX, atentando contra os numerosos esforços de ativistas judeus nas lutas por libertação. E assim, fica desmascarada a última mentira do artigo de Claudio Lottenberg de que o sionismo é sinônimo de antissemitismo: o antissemitismo clássico europeu sempre rejeitou o judeu acusando-o de ser portador de uma nacionalidade diferente. Essa visão etnicamente discriminatória é precisamente a mesma que adota o sionismo ao considerar a identidade do judeu como uma “nacionalidade”.

O antissionismo, portanto, ao rejeitar categoricamente essa premissa compartilhada pelo antissemitismo e o sionismo, é uma oposição ao antisemitismo, assim como a qualquer forma de discriminação étnica. Os interesses de Claudio Lottenberg em mascarar esta realidade são óbvios: encobrir o genocídio do povo palestino que está sendo perpetrado em nome do sionismo.

David Comedi

Rede Internacional Judia Antissionista (IJAN)

http://judiosantisionistasargentina.blogspot.com.ar/

http://ijsn.net/

Share Button

5 thoughts on “Judeus Antissionistas: Claudio Lottenberg mente

  1. Responder Ricardo Salazar ago 18,2014 14:47

    É muita merda para um blog só.

    • Responder Natalia Forcat ago 18,2014 14:57

      Talvez o problema não seja o blog mas você mesmo, sua falta de capacidade de interpretação de textos, sua mente limitada, sua falta de argumentos decentes…

      • Responder Marcelo nov 6,2014 0:28

        Deixa pra lá, Natalia. Uma vez sionista, sempre sionista. Nasceram e morrerão idiotas. Caso totalmente perdido.

  2. Responder Dr. MARCÍLIO NOVAES MAXXON dez 4,2015 15:33

    Muitos antissionistas afirmam que não se opôem ao judaismo, apenas ao Estado de Israel. Mas o principal garantidor do judaismo, desde o término da Segunda Guerra Mundial, é a soberania do Estado de Israel. O País nasceu das cinzas do Holocausto, mais é a última fortaleza contra a repetição dele. MARCÍLIO NOVAES MAXXON
    Cientista, Observador e Estrategista Político

Deixar um comentário