Iraque diz que não permitirá a criação de ‘um segundo Israel’ no norte do país 9

Share Button

O Iraque não permitirá que um “segundo Israel” seja formado no norte do país, disse o vice-presidente iraquiano Nouri al-Maliki sobre um referendo a respeito da independência do Curdistão.

Fonte Sputnik

O referendo no Curdistão iraquiano foi criticado por vários países, incluindo o Iraque, o Irã e a Turquia, bem como a Liga Árabe.

Israel, que é considerado um Estado inimigo de muitos países árabes, apoiou o plebiscito.

“Temos de cancelar ou adiar o referendo porque é inconstitucional e não corresponde aos interesses do povo iraquiano em geral, nem dos curdos em particular. Não permitiremos a criação de um segundo Israel no norte do Iraque”, disse al-Maliki, em uma reunião com o embaixador dos EUA no Iraque, Douglas Silliman.

Anteriormente, a Casa Branca exortou os líderes do Curdistão a cancelar o referendo e dialogar com Bagdá.

A mídia curda informou nesta semana que representantes dos Estados Unidos, França, Alemanha, e das Nações Unidas propuseram adiar o referendo em uma reunião com o presidente iraquiano do Curdistão, Masud Barzani.

Barzani disse que, se ele não receber uma alternativa ao referendo, o mesmo será realizado na data agendada.

O Curdistão iraquiano, com uma população estimada em cerca de 5 milhões, é a única região autônoma do Iraque.

Seu status está consagrado na Constituição que foi aprovada em 2005, dois anos após a queda do regime de Saddam Hussein.

A autonomia significa ter o seu próprio presidente, governo, parlamento e forças de defesa, a Peshmerga.

Share Button

9 thoughts on “Iraque diz que não permitirá a criação de ‘um segundo Israel’ no norte do país

  1. Responder Tufy set 20,2017 20:45

    comparação esdruxula e injusta aos curdos. Os curdos são nativos daquelas regiões. Os `israelenses`são invasores vindos da Europa, que antes do sionismo nem sabiam onde ficava a Palestina. Independente do se acha da causa curda, compara-los aos sionistas beira ao ridículo, e sobretudo, eh uma estrategia burra.

    • Responder Natalia Forcat set 24,2017 20:11

      Que habitem a região não justifica o separatismo. O separatismo só beneficia o imperialismo.

  2. Responder Diego set 21,2017 6:51

    Concordo plenamente Tufy. Os curdos habitam aquela terra a muito tempo e tem sim o direito de se autodeterminar e o de possuir um Estado

  3. Responder Tufy set 21,2017 7:52

    Habitam desde sempre. Nao ha duvida. Sao populações nativas historicamente integradas no contexto daquelas região. So um aloprado para compara-los a um pais de faz-de-conta criado pelo compadrio inglês-sionista.

    • Responder Natalia Forcat set 25,2017 7:42

      Esperados 200.000 israelitas no «Curdistão» logo que a independência seja proclamada

      REDE VOLTAIRE | 24 DE SETEMBRO DE 2017

      De acordo a revista Israel-Kurd, baseada em Erbil, o Primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu e o auto-designado Presidente do futuro Curdistão independente independente, Massoud Barzani, concluíram um acordo secreto.

      Telavive comprometeu-se a instalar no Curdistão 200. 000 Israelitas de origem curda.

      O anúncio foi amplamente difundido pela imprensa turca, iraniana e árabe.

      O projecto de criação de um Sudão do Sul e de um Curdistão é um objectivo militar israelita desde o desenvolvimento de mísseis no fim dos anos 90. Esses territórios, administrados em grande parte pelos Israelitas, devem permitir controlar o Egipto e a Síria pela retaguarda.

      Dos 8,5 milhões de israelitas vivendo em Israel, cerca de 200 mil são de origem curda. Em Março de 1951, a «Operação Ezra e Neemias» (do nome dos personagens bíblicos que organizaram a fuga dos judeus da Babilónia) permitiu a 11. 000 curdos judeus emigrar do Iraque para Israel. Esta operação foi financiada pelo American Jewish Joint Distribution Committee de Nova Iorque. Os aviões utilizados para esta ponte aérea foram postos à disposição pelo ditador cubano Fulgencio Batista.

      A família Barzani, que governa o Curdistão iraquiano com mão de ferro, está historicamente ligada a Israel. O pai do actual Presidente Massoud Barzani, Mullah Mustafa Barzani, era um oficial sénior da Mossad.

      O Primeiro-ministro israelita é o único chefe de governo a ter-se pronunciado, publicamente, a favor da criação de um Curdistão independente fora do território curdo histórico (e, portanto, em prejuízo das populações autóctones).

      Apesar da interdição ditada pelo Tribunal Constitucional iraquiano, será realizado um referendo, a 25 de Setembro de 2017, com vista a proclamar este novo Estado.

  4. Responder Arlete Barbosa Guimaraes set 25,2017 6:19

    O Iraque se insurgindo contra seu i vasorTio Sam?
    Tio Sam quer o Curdistão, ou Israel tb o está desafiando?

  5. Responder Tufy set 25,2017 12:04

    sim, infelizmente a ligação dos curdos e os sionistas eh antiga. Porem, eh preciso reconhecer que o nacionalismo árabe, turco e iraniano tb são responsáveis por essa aliança. Nao sei pq o espanto em constatar que o sionismo age de acordo com a máxima do `divide et impera`. Obviamente, estados fortes no OM nao interessam ao sionismo, como ficou claro no Iraque e Síria. Mobilizacao militar apenas nao resolve, mas temo, que talvez seja tarde, para atrair os curdos para um projeto de nacao multietnico e multisectario (no caso do Iran).

Deixar um comentário