Irã quebra as regras de engajamento: Israel vinga-se e Síria e Irã impõem a equação do Golan

Share Button

Resultado de imagem para Drones iranianos em Israel

De Elijah J. Magnier, 10/5/2018, Elijah Magnier Blog

 

Israel atinge novamente alvos sírios e iranianos e armazéns de armas (evacuados semanas antes) pela quarta vez em um mês. 28 jatos israelenses participaram do maior ataque desde 1974. Tel Aviv informou a liderança russa de suas intenções sem ter conseguido impedir a liderança síria de responder. Na verdade, o que é novo é o local onde Damasco decidiu atacar: as colinas ocupadas do Golan (20 foguetes foram disparados contra posições militares israelenses).

 

A Síria, em coordenação com seus aliados iranianos (sem levar em consideração os desejos russos) tomou uma decisão muito audaciosa para disparar contra alvos israelenses no Golan. Isso indica que Damasco e seus aliados estão prontos para ampliar a batalha, em resposta às contínuas provocações israelenses.

 

Mas qual é a razão pela qual as novas regras de engajamento (ing. Rules of Engagement, ROE) foram impostas na Síria recentemente?

 

Durante décadas, houve um acordo não declarado de ROE entre o Hezbollah e Israel, pelo qual ambos os lados estavam cientes das consequências. Geralmente, Israel prepara um banco de objetivos-alvo com escritórios do Hezbollah, objetivos militares e depósitos e também comandantes específicos com posições-chave dentro da organização. Israel atinge esses alvos (atualizado) em todas as guerras. No entanto, os israelenses reagem imediatamente contra os comandantes do Hezbollah, que têm a tarefa de apoiar, instruir e financiar palestinos na Palestina e, acima de tudo, os palestinos de 1948 que vivem em Israel. Isso aconteceu em muitas ocasiões em que comandantes do Hezbollah relacionados ao dossiê palestino foram assassinados no Líbano.

 

No mês passado, Israel descobriu que o Irã estava enviando drones observáveis ​​de baixa altitude, lançando equipamentos eletrônicos e de guerra especiais para os palestinos. Os radares israelenses não viram esses drones retrocedendo e avançando com seus radares tradicionais, mas conseguiram finalmente identificar um drone, quando usaram a detecção térmica e a dissuasão acústica para derrubá-lo em sua última jornada.

 

Em resposta a isso, Israel atacou o aeroporto militar sírio T-4 usado pelo Irã como base para esses drones. Mas Israel não estava satisfeito e queria mais vingança; e atingiu vários alvos iranianos e sírios nas semanas seguintes.

 

Tel Aviv acredita que pode safar-se, apesar de atingir repetidamente alvos iranianos, sem desencadear uma resposta militar. Talvez Israel realmente acreditasse que o Irã estava com medo de se envolver em uma guerra com Israel, com os EUA prontos para participar de qualquer guerra contra a República Islâmica, de suas bases militares espalhadas pela Síria, nas proximidades das forças iranianas na Síria. Obviamente, o Irã tem uma visão diferente dos israelenses, dos americanos e até dos russos, que gostam de evitar qualquer contato a todo custo.

 

Independentemente de quantos jatos israelenses participaram do último ataque contra os alvos iranianos e sírios e de quantos mísseis foram lançados ou interceptados, um sério avanço ocorreu: o alto comando sírio quebrou todas as regras e não encontrou obstáculo para bombardear Israel nas Colinas do Golã Ocupado.

 

Novamente, o tipo de mísseis ou foguetes disparados pela Síria contra os alvos militares israelenses não é importante, e se caem em espaço aberto ou atingem seus alvos. O que é importante é o fato de que agora existe um novo ROE na Síria, semelhante ao estabelecido pelo Hezbollah em relação a Kiryat Shmona, perto da fronteira libanesa, quando militantes disparavam canhões antiaéreos cada vez que Israel violava o espaço aéreo libanês em 2000.

 

Basicamente, Israel queria atingir objetivos na Síria, mas afirma não estar à procura de confronto. Israel gostaria de continuar provocando a Síria e o Irã no Levante, mas afirma não estar disposto à guerra ou a se envolver em batalha. Israel gostaria de continuar atingindo qualquer alvo que escolher na Síria sem sofrer retaliação. Com o seu mais recente ataque, as “consequências não intencionais” ou provocação de Israel forçaram o governo sírio a considerar as Colinas do Golã ocupadas como o próximo campo de batalha. Se Israel continuar e ultrapassar a fronteira, a Síria pensará em enviar seus mísseis ou foguetes para além das Colinas de Golã – com o que chegará a território israelense.

 

Na verdade, o secretário-geral do Hezbollah, Sayyed Hasan Nasrallah, disse há alguns anos:

“Deixe o Líbano fora do conflito. Venha para a Síria, onde podemos resolver nossas diferenças”.

 

A Síria, logicamente, tornou-se o campo de batalha para todos os países e partidos resolverem suas diferenças, a plataforma onde a guerra silenciosa entre Israel e o Irã e seus aliados está encontrando sua voz.

 

Em Damasco, fontes próximas à liderança acreditam que Israel continuará atacando alvos. No entanto, Israel sabe agora onde a resposta da Síria será. Isso é o que Israel desencadeou, mas não esperava. Agora, tornou-se a regra.

 

A cúpula de ferro de Israel é ineficiente e incapaz de proteger Israel de foguetes e mísseis lançados simultaneamente. Agora a batalha transferiu-se para o território sírio ocupado por Israel, para irritação de Tel Aviv e da Rússia. O Irã e a Síria não estão levando em consideração a preocupação da Rússia, interessada em manter baixo o nível de tensão, mesmo que Israel não se controle. A Síria reconhece a importância da Rússia e seu papel eficiente em deter a guerra na Síria e todo o apoio militar e político que Moscou está oferecendo. Mas Damasco e Teerã têm outras considerações e com o propósito de conter Israel. Eles treinaram mais de 16 grupos sírios prontos para libertar as Colinas de Golã ou entrar em conflito com qualquer possível avanço israelense no território sírio.

 

Israel desencadeou o que sempre temeu e conseguiu um novo campo de batalha nas colinas de Golã. É verdade que Israel se limitou a bombardear os armazéns de armas que nunca atingiram antes. Bombardeou bases onde servem os assessores iranianos, junto com oficiais sírios (a Rússia liberou a maioria das posições para evitar o constrangimento de ser atingida por Israel). Também é verdade que Israel não bombardeou regularmente aviões militares e de transporte iranianos que transportavam armas para a Síria, ou o principal centro de controle e comando iraniano no aeroporto de Damasco. Isso significa que nem todas as partes estão pressionando por uma escalada mais ampla, até o momento.

 

A situação pode ficar fora de controle? Claro que pode, a questão é quando!

Iran breaks the Rules of Engagement: Israel takes its Revenge, and Syria and Iran impose the Golan Equation

 

Traduzido por Vila Vudu

Share Button

Deixar um comentário