Igreja Síria: Bispo acusa Turquia de impedir cristãos de sair

Share Button

Um destacado bispo da Igreja católica síria acusou hoje a Turquia de impedir os cristãos de saírem da Síria, ao mesmo tempo que deixa entrar no país os ‘jihadistas’ que os perseguem.

Síria: Bispo acusa Turquia de impedir cristãos de sair

 25 /02/ 2015 | Por Lusa

Jacques Behnan Hindo, arcebispo sírio-católico de Hasakeh (nordeste da Síria), fez a acusação numa entrevista à Rádio Vaticano, um dia depois de o grupo Estado Islâmico ter raptado pelo menos 90 cristãos de aldeias até então sob controlo das forças curdas.

“Todos os dias há famílias a sair de Damasco de avião devido ao bloqueio que temos à nossa volta”, disse o bispo.

“No norte, a Turquia deixa passar caminhões, ‘jihadistas’, petróleo roubado na Síria, algodão e trigo. Tudo isto pode passar a fronteira, mas ninguém (da comunidade cristã) pode passar”, afirmou.

Os cristãos raptados fazem parte da pequena comunidade católica síria, residente na sua maioria da região de Hasakeh, próxima da fronteira com a Turquia.

Antes do início do conflito armado, em março de 2011, os católicos sírios eram cerca de 30.000, num total de 1,2 milhões de cristãos na Síria.

O bispo sírio acusou por outro lado o Crescente Vermelho de recusar aos cristãos os fundos que lhe são dados pela Cruz Vermelha.

“A Cruz Vermelha dá dinheiro ao Crescente Vermelho, (mas) o Crescente Vermelho não dá rigorosamente nada aos cristãos, nem um milésimo do que recebe”, enquanto organizações católicas como a Caritas “dão aos cristãos, aos muçulmanos, a toda a gente”, sustentou.

Segundo o bispo, a única ajuda aos cristãos provém  a Obra do Oriente, do Vaticano ou da Congregação das Igrejas do Oriente.

 

 

Share Button

Deixar um comentário