Estou confuso. Alguém pode me ajudar? 1

Share Button

Por Neil Clark, Russia Today
Traduzido por Oriente Mídia

Manifestante antigoverno agita bandeira em frente ao escritório ocupado do serviço de segurança do Estado SBU em Luhansk, leste a Ucrânia 14 abril de 2014. (Reuters / Shamil Zhumatov)

Manifestante antigoverno agita bandeira em frente ao escritório ocupado do serviço de segurança do Estado SBU em Luhansk, leste a Ucrânia 14 abril de 2014. (Reuters / Shamil Zhumatov)

Estou confuso. Algumas semanas atrás, foi-nos dito no Ocidente que as pessoas que ocuparam prédios do governo na Ucrânia foi uma coisa muito boa. Essas pessoas, disseram-nos nossos líderes políticos e comentaristas da imprensa-empresa, eram “os manifestantes pró-democracia”.

O governo dos EUA alertou as autoridades ucranianas contra o uso de força contra estes “manifestantes pró-democracia”, mesmo se, de acordo com as imagens que vimos, alguns deles fossem neonazistas que jogavam coquetéis molotov e outras coisas contra a polícia e destruindo estátuas e incendiando edifícios.

Agora, apenas algumas semanas depois, fomos informados de que as pessoas que ocupam prédios do governo na Ucrânia não são “pró-democracia “, mas manifestantes “terroristas” ou “militantes”.

Por que a ocupação de prédios do governo na Ucrânia era uma coisa muito boa em janeiro, mas é uma coisa muito ruim em abril? Por que o uso da força por parte das autoridades contra os manifestantes era completamente inaceitável ​​em janeiro, mas é aceitável agora? Repito: estou confuso. Alguém pode me ajudar?

Ativistas pró-Rússia se reúnem em frente ao prédio do serviço secreto na cidade ucraniana oriental de Lugansk em 14 de abril de 2014. (AFP / Dimitar Dilkoff)

Ativistas pró-Rússia se reúnem em frente ao prédio do serviço secreto na cidade ucraniana oriental de Lugansk em 14 de abril de 2014. (AFP / Dimitar Dilkoff)

Os manifestantes antigoverno na Ucrânia durante o inverno receberam visitas de vários políticos ocidentais proeminentes, incluindo senador dos EUA John McCain e Victoria Nuland, do Departamento de Estado dos EUA, que distribuiu biscoitos. Mas tem havido grandes protestos contra o governo em muitos países da Europa Ocidental nas últimas semanas, que ainda não receberam tal apoio, quer seja destas figuras ou da elite de comentaristas da mídia ocidental. Os manifestantes também não receberam biscoitos de funcionários do Departamento de Estado dos EUA.

Certamente, se eles estavam tão interessados ​​em protestos de rua contra o governo na Europa, e os considerava como a forma mais verdadeira de “democracia”, McCain e Nuland não deveriam também mostrar solidariedade com os manifestantes em Madrid, Roma, Atenas e Paris? Estou confuso. Alguém pode me ajudar?

Mil pessoas se reúnem em frente a bloqueio na rua que leva ao parlamento da Espanha (Las Cortes) durante uma manifestação antigovernamental em Madrid (AFP / Javier Soriano)

Mil pessoas se reúnem em frente a bloqueio na rua que leva ao parlamento da Espanha (Las Cortes) durante uma manifestação antigovernamental em Madrid (AFP / Javier Soriano)

Algumas semanas atrás eu vi uma entrevista com o Secretário de Estado dos EUA John Kerry, que disse: “Você simplesmente não invade outro país sob falsos pretextos, a fim de fazer valer os seus interesses.” Mas eu me lembro dos EUA fazendo exatamente isso em mais de uma vez nos últimos 20 anos ou mais.

Será que me lembro bem das alegações “O Iraque tem armas de destruição em massa”? Será que eu estava sonhando em 2002 e início de 2003, quando políticos e especialistas neoconservadores foram à TV todos os dias para nos dizer, a plebe, que tínhamos de ir à guerra com o Iraque por causa da ameaça representada pelo arsenal mortal de Saddam? Por que ter uma votação democrática na Criméia sobre a possibilidade de se juntar a Rússia é considerado pior do que a brutal, assassina invasão do Iraque – uma invasão que levou à morte mais de 1 milhão de pessoas? Estou confuso. Alguém pode me ajudar?

AFP / Pool / Mario Tama

AFP / Pool / Mario Tama

Também nos foi dito por vários políticos ocidentais e “especialistas” da mídia, que o referendo da Criméia não era válido porque foi realizado sob “ocupação militar”. Mas acabo de assistir a cobertura das eleições no Afeganistão, realizada sob ocupação militar, que foram saudadas pelos principais personagens ocidentais, como o chefe da OTAN, Anders Fogh Rasmussen como um “momento histórico para o Afeganistão”, e um grande sucesso para a “democracia”. Por que a votação na Criméia foi rejeitada, mas a votação no Afeganistão foi comemorada? Estou confuso. Alguém pode me ajudar?

Um policial afegão vigia eleitores afegãos fazendo fila para votar em um posto de votação local em Ghazni em 5 de abril de 2014. (AFP / Rahmatullah Alizadah)

Um policial afegão vigia eleitores afegãos fazendo fila para votar em um posto de votação local em Ghazni em 5 de abril de 2014. (AFP / Rahmatullah Alizadah)

Em relação à Síria também é desconcertante. Fomos e somos informados de que grupos terroristas islâmicos radicais representam a maior ameaça para a paz, segurança e nosso ‘estilo de vida’ no Ocidente. Que Al-Qaeda e grupos semelhantes precisam ser destruídos: que precisávamos de uma ‘Guerra ao Terror’ implacável contra eles. No entanto, na Síria, os nossos líderes têm sido aliados destes grupos radicais em sua guerra contra um governo secular que respeita os direitos das minorias religiosas, incluindo os cristãos.

Quando as bombas da Al-Qaeda ou seus afiliados explodem na Síria e pessoas inocentes são mortas não há condenação dos nossos líderes: sua única condenação foi do governo secular sírio que está lutando contra radicais islâmicos e que nossos líderes e comentaristas da mídia de elite estão desesperados para derrubar. Estou confuso. Alguém pode me ajudar?

AFP / Amr Radwan Al-Homsi

AFP / Amr Radwan Al-Homsi

Temos também os direitos dos homossexuais. Somos informados de que a Rússia é um país muito ruim e retrógrado, porque aprovaram uma lei contra a promoção da homossexualidade a menores. No entanto, os nossos líderes que boicotaram os Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi por causa dessa lei, visitam países do Golfo, onde os homossexuais podem ser presos ou mesmo executados e calorosamente abraçam os governantes lá, sem fazer qualquer menção à questão dos direitos dos homossexuais.

Será que a prisão ou execução de gays é muito pior do que uma lei que proíbe a promoção da homossexualidade a menores de idade? Se estão realmente preocupados com os direitos dos homossexuais, por que nossos líderes atacam a Rússia e não os que aprisionam ou executam os gays? Estou confuso. Alguém pode me ajudar?

Presidente dos EUA, Barack Obama aperta a mão do rei Abdullah bin Abdulaziz Al Saud, da Arábia Saudita (AFP / Saul Loeb)

Presidente dos EUA, Barack Obama aperta a mão do rei Abdullah bin Abdulaziz Al Saud, da Arábia Saudita (AFP / Saul Loeb)

Inúmeros artigos de jornal nos disseram, que o partido ultranacionalista húngaro Jobbik é muito ruim e que sua ascensão causa grande preocupação, mesmo que nem esteja no governo e provavelmente não estará. Mas os neonazistas e ultranacionalistas que ocupam cargos no novo governo da Ucrânia, que nossos líderes no Ocidente entusiasticamente apoiaram, e os neonazistas e a extrema-direita que desempenharam um papel fundamental na derrubada do governo democraticamente eleito da Ucrânia, em fevereiro, são a ‘revolução’ festejada pelo Ocidente. Por que os ultranacionalistas e grupos de extrema direita são inaceitáveis ​​na Hungria, mas bem aceitos ​​na Ucrânia? Estou confuso. Alguém pode me ajudar?

Presidente do partido de extrema direita JOBBIK [melhor] Gabor Vona (C) reage ao resultado da eleição parlamentar com membros do seu partido  em Budapeste , em 6 de abril de 2014. (AFP / Peter Kohalmi)

Presidente do partido de extrema direita JOBBIK [melhor] Gabor Vona (C) reage ao resultado da eleição parlamentar com membros do seu partido em Budapeste , em 6 de abril de 2014. (AFP / Peter Kohalmi)

Dizem-nos que a Rússia é uma potência agressiva, imperialista e que as preocupações da OTAN são sobre conter a “ameaça” russa. Mas eu olhei para o mapa outro dia e pude ver um monte de países próximos (e fronteiriços) à Rússia que são membros da OTAN, a aliança militar liderada pelos Estados Unidos, cujos membros têm bombardeado e atacado vários países nos últimos 15 anos. Não consegui ver países próximos aos EUA que fazem parte de uma aliança militar russa, ou de quaisquer bases militares russas ou mísseis situados em países próximos ou que façam fronteira aos EUA. No entanto, a Rússia, dizem-nos, que é o “agressor”. Estou confuso. Alguém pode me ajudar?


Neil Clark é jornalista, escritor e radialista.

Share Button

Um comentário sobre “Estou confuso. Alguém pode me ajudar?

  1. Responder antonio carlos - RJ. abr 17,2014 16:57

    Oriente Midia, excelente artigo. Mas “eles” que não se enganem pois de confusos nós não temos nada. A hora e a vez deles se aproxima. Avante Síria,avante Rússia, avante Irã, avante Venezuela,avante Brasil.

    Sds,

    antonio carlos.

Deixar um comentário