Em São Paulo, uma semana de atividades em solidariedade ao povo palestino

Share Button

Programação inclui exibição de filme, poesia, música e debates. Atividade terá início no próximo sábado – 29 de novembro, Dia Internacional de Solidariedade ao Povo Palestino – e seguirá até 7 de dezembro.

Entre 29 de novembro e 7 de dezembro, a Capital paulista contará com uma série de iniciativas, como parte do I Fórum e Semana de Solidariedade ao Povo Palestino. Realizada pela Frente em Defesa do Povo Palestino e Comitê pelo Estado da Palestina Já, que reúnem dezenas de organizações da sociedade civil brasileira, a atividade conta com o apoio do ICArabe (Instituto da Cultura Árabe) e da Prefeitura Municipal de São Paulo. Inclui exibição de filme, poesia, música e debates sobre diversos temas, dos direitos humanos, luta da mulher árabe à forma como a mídia retrata a questão palestina (confira programação completa abaixo).

À abertura, será lançada campanha humanitária em solidariedade a Gaza, Palestina ocupada – iniciativa urgente, diante da mais nova onda de ataques por Israel à estreita faixa, por 51 dias, que culminou com cerca de 2.200 mortos palestinos, além de 11 mil feridos e milhares de deslocados internamente. Além dessa ofensiva, as graves violações cotidianas cometidas por Israel, em especial neste momento em Jerusalém Oriental, exigem o fortalecimento da solidariedade internacional, com campanhas unificadas nesse sentido, entre elas a por BDS (boicotes, desinvestimento e sanções) a Israel. Temas que devem estar em pauta durante este evento.

A humilhação e ocupação diárias a que estão submetidos os palestinos teve início há mais de 66 anos e resultou na criação do Estado de Israel, em 15 de maio de 1948. Naquele momento, foram expulsos cerca de 800 mil palestinos de suas terras e aproximadamente 500 aldeias foram destruídas. A consequência é a fragmentação da sociedade e a criação do problema dos refugiados – hoje, em torno de 5 milhões em campos na região, afora milhares em outras partes do mundo. Por essa razão, os árabes chamam a criação de Israel de nakba (catástrofe).

O caminho para tanto foi sedimentado a partir de 29 de novembro de 1947, quando a Assembleia Geral das Nações Unidas, presidida pelo diplomata brasileiro Oswaldo Aranha, recomendou a partilha da Palestina em dois estados, um judeu e um árabe, sem consulta aos habitantes locais. O plano de partilha da ONU criou o cenário da guerra de 1948, durante a qual Israel foi unilateralmente estabelecido como um Estado judeu mediante a limpeza étnica de mais de três quartos do povo palestino, confiscando suas terras e impedindo o seu retorno.

Em 1974, a mesma ONU afirmou que os palestinos, na qualidade de nação, possuem uma série de direitos inalienáveis: à autodeterminação sem interferência externa; à independência nacional e soberania; e a retornarem a seus lares e propriedades dos quais foram deslocados e desenraizados. Em 1977, a ONU declarou o dia 29 de novembro como o Dia de Solidariedade ao Povo Palestino. A abertura do I Fórum e Semana de Solidariedade ao Povo Palestino nesta data simbólica reitera a exigência de fim da ocupação, do apartheid e colonização de terras por Israel, por uma Palestina livre, laica, democrática, sem racismo.

I SEMANA E FÓRUM DE SOLIDARIEDADE AO POVO PALESTINO

Organização: Frente em Defesa do Povo Palestino e Comitê pelo Estado da Palestina Já – CEP.

Apoio: Prefeitura Municipal de São Paulo, Instituto da Cultura Árabe (ICArabe)

29/11 – Sábado

Dia Internacional de Solidariedade ao Povo Palestino

Local: Galeria Olido, 19h (Av. São João, 473, Centro)

Lançamento de campanha humanitária a Gaza

Saudação do Embaixador palestino no Brasil, Ibrahim Al Zebem

Exibição do filme Diários (acervo ICArabe) seguida de debate

 

Sobre o documentário:

Título original: Diaries

Palestina & Noruega | 2010 | 53 min.
Gênero: Documentário
Direção: May Odeh
Idioma: Árabe com legendas em português 

Sinopse:

Entre 2008 e 2009, logo depois de um devastador ataque, três mulheres mostram como enfrentam a dupla ameaça de viver em Gaza, tendo, de um lado, a ocupação israelense; de outro, as autoridades religiosas que controlam a cidade. O documentário mostra o cotidiano dessas mulheres com seus medos, memórias, esperanças e ideias para uma vida melhor. Inédito no Brasil.

Sobre a diretora
Nascida em Birzeit, Palestina, May Odeh estudou comunicação em sua cidade e depois cinema na Lillehammer University College na Noruega. Trabalhou como correspondente para vários canais de televisão árabes e fez dois curtas antes de “Diários”.

1º/12 – Segunda-feira

Debate: Direitos humanos e direito internacional sobre a questão palestina

Local: Auditório da Secretaria Municipal de Direitos Humanos (Rua Líbero Badaró, 119, Centro)

Horário: 19h30

2/12 – Terça-feira

Aula pública: Breve história da Palestina: dos massacres à resistência

Local: Escadarias do Teatro Municipal de São Paulo, 18h – Praça Ramos de Azevedo

3/12 – Quarta-feira

Debate: Mulheres árabes e a luta contra o imperialismo ontem e hoje

Local: Biblioteca Mário de Andrade, das 19h30 às 21h – Rua da Consolação esquina com a Avenida São Luís

 

4/12 – Quinta-feira

Recital de música e poesia.

Local: Teatro Heleny Guariba – Praça Roosevelt, 184, Centro – SP.

5/12 – Sexta-feira

A questão palestina na mídia

Local: Biblioteca Monteiro Lobato, das 19h30 às 21h30 – Rua General Jardim, 485, Vila Buarque – SP.

6/12 – Sábado

Debate: Caminhos para a libertação da Palestina na visão dos partidos políticos

Local:  Biblioteca Monteiro Lobato, das 14h às 17h – Rua General Jardim, 485, Vila Buarque – SP.

7/12 – Domingo

10h – A resistência internacional da juventude

12h – O movimento sindical e a solidariedade internacional

Local: Biblioteca Monteiro Lobato, das 10h às 14h – Rua General Jardim, 485, Vila Buarque – SP.

17h – Encerramento – Apresentação de hip hop (Local: Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes, Rua Inácio Monteiro, 6.900)

Mais informações:

frentepalestina@yahoo.com.br

 

Share Button

Deixar um comentário