Discurso do Secretário Geral do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, no Dia Internacional de Jerusalém.

Share Button

sayed3

O secretário geral do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, disse: « O Dia Mundial de Jerusalém proclamado pelo Imam Khomeini completa hoje 40 anos e, durante esse período os inimigos de Jerusalém apostam que este dia foi negligenciado ou esquecido, porém ano após ano, o interesse neste dia cresce cada vez mais ».

Durante uma cerimônia realizada pelo Hezbollah para marcar o Dia Internacional de Al-Quds em Dahiyeh (região sul do Beirute), Sayyed Nasrallah apontou que a resistência palestina esta avançando e se desenvolvendo imensamente e “se tornou capaz de controlar grandes áreas na Palestina ocupada em qualquer guerra futura, numa época em que a imagem de ‘Israel’ foi destruída após a derrota do seu exército terrestre que não conseguiu parar os foguetes da resistência », enfatizando que o eixo da resistência está mais forte do que antes, enquanto « Israel », apesar de sua força militar, está mais fraca do que nunca.

« Com a sinceridade e devoção do Imam Khomeini e de todos os fiéis no caminho de Jerusalém, conseguimos superar todas as tentativas de aclamar este dia como um dia religioso ou sectário, e como um dia iraniano ou xiita, e conseguindo assim estar mais forte do qualquer cerco », disse ele.

Nasrallah adicionou, « No dia Internacional de Jerusalém, vimos grandes manifestações em vários países, sendo o destaque Irã, que transmite uma mensagem para Trump ou qualquer outra pessoa que acredita na fragilidade do povo iraniano. » Ele disse « O povo iraniano se manifesta por causa de Jerusalém, que é considerada uma questão árabe-islâmica, e os líderes da mais alta classe e até os idosos saíram para expressar a sua posição contra as interferências externas na região. » Além disso, Sayyed Nasrallah falou sobre a importância das manifestações no Bahrein e observou a posição do povo iemenita de apoio à Jerusalém e Palestina, que se impôs nas equações das forças da região ».

Acordo do Século

Sobre o chamado acordo do século, Nasrallah disse: « Devemos enfrentar este acordo, pois isso é um dever nacional, político, moral e religioso. Este acordo viola todos os direitos e santidades e a nossa responsabilidade é clara e não iremos falhar, pois estamos no caminho certo. Os Estados Unidos e Israel, juntamente com os regimes da região, estão trabalhando para implementar este acordo, enquanto há um eixo que o rejeita e o enfrenta, e há um conflito entre eles, então devemos ter toda a clareza, esperança e discernimento de que podemos evitar que esse crime histórico aconteça em nossa terra e região. »

« Alguns regimes estão trabalhando para tornar Israel o centro da região acabando com a causa palestina, Jerusalém e os direitos do povo palestino. De 2000 a 2011 houve uma tentativa americana de liquidar a causa palestina dando migalhas aos palestinos, mas após a vitória da resistência no Líbano e Palestina eles participaram do projeto para eliminar Estados e facções da resistência e depois de 2011, após a falha da chamada Primavera Árabe, todos os membros quiseram desfrutar do negócio do Trump apresentado hoje », esclareceu Nasrallah.

« O que está acontecendo mostra que eles não conhecem a história e nem entendem os princípios e valores dos povos da região e, portanto, os seus planos foram diagnosticados erroneamente. Desde 1982 a resistência está ficando cada vez mais forte e consegue combater Tel Aviv e muitas colônias sionistas, cujas capacidades são anunciadas pelos próprios líderes da resistência, » disse ele.

Sayyed Nasrallah disse : « A Síria conseguiu superar o que foi planejado contra ela e está ainda com sua posição no centro de resistência, e todas as tentativas feitas pelos Estados Unidos contra o Iraque falharam socialmente e militarmente ».  Sua Eminência completou ”A realidade por trás de convidar árabes e muçulmanos para a reunião da cúpula de Meca é aliviar o regime saudita, que sofre perda de  poder crescente no Iêmen após quatro anos de agressão saudita com a contribuição dos Estados Unidos e Grã-Bretanha e mercenários não conseguiram impor a rendição sobre o povo do Iêmen, e estas cimeiras são os picos de angústia que expressa à incapacidade e fraqueza arábica em frente aos jovens do exército e das comissões do povo iemenita juntamente com Ansar Allah que está cada vez mais crescendo e se desenvolvendo ».

Peso da presença iraniana no mundo

Sayyed reforçou « Os elementos mais importantes na região são as próprias capacidades do poder real do Irã ». Contudo, Trump confirma que a Arábia Saudita é baseada na sobrevivência do poder do Ocidente e do aparelho de inteligência americana. « O eixo de resistência está mais forte hoje do que nunca, enquanto em Israel há uma perda de liderança, precisando sempre do apoio direto dos Estados Unidos e das frotas americanas em qualquer guerra futura, quando Israel esteve sob esta forma de fraqueza? », questionou Nasrallah.

Sua Eminência acrescentou, « Os Estados Unidos hoje não é o mesmo que eram 50 ou 60 anos atrás, pois deixou suas tropas serem derrotadas em várias regiões no mundo. A economia dos Estados Unidos não suporta o aumento dos preços do petróleo, pois está envolvido em confrontos no mundo inteiro e a coisa mais importante, o novo governo dos Estados Unidos tem medo de ir a novas guerras. Será que Trump é um homem de guerra? ».

Nasrallah explicou que, o problema econômico está afetando todos os países da região, fazendo com que fiquem ocupados com situações internas, pois Trump está apostando na questão econômica, senão, a maioria apoiaria Israel ao invés de defender a causa Palestina. Desde a revolução islâmica até hoje, Irã vem sofrendo muitos ataques no mundo por causa dos apoios oferecidos por ela na resistência no Iraque, Líbano e Palestina.

« Irã, hoje em dia, é o ponto de poder da resistência, e o mundo está tentando cercar, atacar e acabar com este eixo ».

Sobre a Guerra contra Irã

Sayyed Nasrallah disse: « Alguns hoje promovem uma guerra entre os Estados Unidos e o Irã, liderados por John Bolton, o mentiroso, e Mohammed bin Salman, afirmando que a guerra virá como se Trump trabalhasse para eles. Imam Khamenei disse que não há guerra e nenhuma negociação, mas em nossa opinião não há guerra porque o Irã é forte, capaz de seu povo, seu regime, seu líder, suas referências, sua especialidade e sua generalidade, porque é primeiro e finalmente depende de Deus ».

Sua Eminência enfatizou que « O mundo inteiro precisa ouvir as minhas palavras, que Trump e toda a inteligência americana reconhecem que qualquer guerra contra o Irã significa que toda a região vai incendiar-se e que os intereses americanos e seus aliados, principalmente Israel e regime saudita, serão destruídos. O que importa para Trump, numa futura guerra, se o preço de um barril de petróleo chegar a 200 ou 300 $US, ele perderá nas eleições. A balança do poder é o que está evitando o conflito, enquanto esses miseráveis querem que Trump entre numa guerra, ele só se importa com o dólar e  petróleo. O regime saudita está ciente que todas as suas apostas foram destruídas e todos que conspiraram pagarão o preço. Contudo, Trump não tem interesse em que haja boas relações entre o Irã e os países do Golfo, mas também o seu interesse é continuar a intimidar os regimes do Golfo contra o Irã e a sua prioridade é a guerra econômica contra o Irã e outros países ».

« A outra indicação da ausência de guerra são as breves cúpulas realizadas às pressas, e os dados mostraram que a Arábia Saudita não consegue encontrar nenhuma solução contra os mísseis iemenitas, e isso é um grande fracasso para os sauditas, sendo então uma grande conquista para os irmãos iemenitas », declarou.

Sobre a cúpula árabe em Meca, Nasrallah prestou uma homenagem ao Iraque e a posição do Presidente da República, pois é corajosa, privilegiada e excelente demonstrando como a abertura de um diálogo com o Irã preservou as riquezas e dignidade do país.

Delegação libanesa na Cúpula da Meca

Sayyed Nasrallah considerou a posição da delegação libanesa na cimeira árabe é inconsistente com a declaração dos ministros. Questionando a opinião da delegação libanesa. « Acreditamos que esta posição é inaceitável, inadmissível e condenável e não reflete a posição do Líbano, mas reflete a posição dos participantes ».

Sobre a questão da demarcação das fronteiras, sua Eminência confia nas autoridades libanesas que estão negociando para preservar os direitos do Líbano.

Fabricação de mísseis no Líbano

O secretário-geral do Hezbollah disse: « Temos mísseis precisos e números suficientes que afetam todos os alvos necessários na entidade sionista, e esses mísseis podem mudar a face da região e da balança do poder, e o inimigo não iniciará ataques contra nós, pois sabe muito bem que vamos pagar na mesma moeda, ou até mais. Até agora no Líbano não há fábricas de mísseis, e é inaceitável a discussão aberta com os americanos nesta matéria porque é nosso direito de possuir quaisquer armas para nos defender, mesmo se tivéssemos qualquer fábrica de mísseis de precisão, eu anunciarei. Se o americano mantiver em aberta este arquivo, vou dizer-lhe que temos toda a capacidade de fabricar e montar mísseis no Líbano e nós poderemos exigir fabricação de foguetes e vendê-los para apoiar a tesouraria libanesa, e espero que Satterfield feche este arquivo e pare de fazer ameaças ».

Finalmente, o Sayyed Nasrallah afirmou que quando os palestinos se reúnem para rejeitar o acordo deste século, o negócio não vai passar e quando se reúnem os sírios anunciando que o Golan vai detonar o acordo do Trump, estamos presentes aqui para afirmar que futuro é de Jerusalém e da Palestina.

Publicado e traduzido por: Al-Manar

Share Button

Deixar um comentário