Damasco exige ‘imediata’ retirada do exército turco da Síria

Share Button

Poucos dias depois das tropas turcas e seus veículos armados entrarem na província síria de Idlib, seguindo o anúncio da segunda operação militar da Turquia no país vizinho, Damasco teria protestado fortemente contra a ação.

De acordo com a agência de notícias síria SANA, citando uma fonte no Ministério de Relações Exteriores da Síria, Damasco exigiu a retirada “imediata e incondicional” das tropas turcas do país.

Uma fonte oficial no ministério disse à SANA que a Síria condena a incursão das unidades do exército turco na província de Idlib, chamando-a de “flagrante agressão contra a soberania e integridade territorial da Síria e uma flagrante violação do direito e das normas internacionais”.

A operação turca que a fonte de Damasco descreveu como uma “agressão” não tem nada a ver com os acordos alcançados durante a última rodada das negociações de paz sírias em Astana, negociados pela Rússia, Irã e Turquia, informou a SANA.

A condenação de Damasco pela operação turca em Idlib ocorreu vários dias depois de soldados turcos, incluindo forças especiais, e 30 veículos blindados entrarem em Idlib, na noite de quinta-feira.

De acordo com o Estado-Maior turco, as forças armadas turcas que operam na zona desmilitarizada de Idlib observarão o cessar-fogo, assegurarão entregas de ajuda humanitária e criarão condições para que a população volte para suas casas.

A atuação turca começou no dia 12 de outubro, dentro do quadro dos acordos alcançados em Astana.

A segunda operação militar turca na Síria foi anunciada pelo presidente Recep Tayyip Erdogan em 7 de outubro.

Atualmente, Idlib é controlada principalmente pelo Tahrir al-Sham, um grupo militante liderado pelos terroristas da Frente Al-Nusra, ex-afiliada síria da Al-Qaeda. O grupo não é parte do acordo sobre a criação de uma zona desmilitarizada na província, acordada durante as conversas de paz sírias em Astana negociadas pela Rússia, Irã e Turquia.

A operação Idlib é a segunda operação militar turca no solo sírio. De agosto de 2016 a março de 2017, a campanha do Eufrates Shield do Exército turco, conduzida também com os combatentes rebeldes da FSA, foi conduzida com o objetivo de limpar a cidade fronteiriça síria de Jarablus e a área circundante do grupo terrorista Daesh.

Leia Também:

Estado-Maior da Turquia declara início de operação na cidade síria de Idlib

Dois dias após o presidente turco Recep Tayyip Erdogan ter dito que os militares turcos iriam ajudar os combatentes do Exército Livre da Síria na recém-lançada ofensiva antiterrorista, a Turquia declarou o início oficial da operação na cidade de Idlib, atualmente controlada pelos terroristas da Frente al-Nusra.

O Estado-Maior General declarou o início da operação na cidade síria de Idlib, acrescentando que estão sendo realizadas atividades de reconhecimento para a instalação de postos de controle do cessar-fogo.

“Em conformidade com os acordos firmados em Astana para a criação de zonas de desescalada em Idlib, as Forças Armadas da Turquia, que é um dos países-garantes [do cessar-fogo na Síria], iniciaram em 8 de outubro uma operação de reconhecimento para estabelecer postos de controle do cessar-fogo”, disse o Estado-Maior General em um comunicado.

O anúncio oficial foi feito após o presidente turco ter dito no sábado (7) que Ancara planeja deslocar seus militares para Idlib, onde os militantes do Exército Livre da Síria, apoiados pela Turquia, lançaram uma operação. No dia seguinte, Erdogan afirmou que “se não tomarmos medidas, as bombas vão cair em nossas cidades”.. . .

Comentando a operação em Idlib no domingo (8), o premiê turco, Binali Yildirim, disse por sua parte que as ações de Ancara são coordenadas com Moscou. O Ministério da Defesa da Rússia ainda não comentou os planos da Turquia. No entanto, na semana passada, o chanceler russo Sergei lavrov disse que a Rússia está pronta para apoiar as forças que combatem a Frente al-Nusra na zona de desescalada em Idlib.

A operação em Idlib é a segunda operação turca no território sírio. Desde agosto de 2016 até março de 2017, a Turquia, juntamente com militantes do Exército Livre da Síria, realizou a campanha Escudo do Eufrates, destinada a expulsar os terroristas do Daesh da cidade de Jarablus e da área circundante.

Material blindado da Turquia atravessa fronteira da Síria

Oito tanques, 50 blindados e cerca de 200 militares turcos atravessaram a fronteira da Síria e entraram na província de Idlib, informou o canal de televisão turco NTV.

Os militares e veículos blindados serão instalados em Idlib para controlar a zona de desescalada (ou distensão). O Estado-Maior turco informou que os militares começam a instalar postos de controle no âmbito dos acordos firmados em Astana para a criação de zona de desescalada na Síria.

O envio do contingente militar foi precedido por uma operação de reconhecimento que durou de 8 a 11 de outubro de 2017.

Anteriormente, o premiê turco, Binali Yildirim, declarou que a Turquia realiza essa operação no âmbito dos acordos firmados em Astana e que as ações de Ancara são coordenadas com Moscou. Segundo ele, os militares turcos ficarão no interior da cidade de Idlib, enquanto as forças russas serão deslocadas no seu perímetro externo.

O conflito armado na Síria se arrasta desde março de 2011. As negociações para resolver a crise estão sendo realizadas em Astana e em Genebra.

A cooperação eficaz entre a Rússia, a Turquia e o Irã levou à criação de quatro zonas de desescalada na Síria. Idlib deve tornar-se a quarta zona. Até agora, apenas três zonas estão funcionando: a norte da cidade de Homs, em um subúrbio de Damasco – na área de Ghouta Oriental, e também na fronteira sírio-jordaniana, na província de Daraa.

Fonte : Sputnik

 

 

Share Button

Deixar um comentário