Batalha de Idlib ou batalha por Idlib?

Share Button

Ver a imagem de origem

1/9/2018, Ghassan e Intibah Kadi, para The Saker Blog

Batalha de Idlib? Ou Batalha por Idlib? E batalha de quem? E quem combate quem? E onde?

A única coisa clara sobre essa batalha dita iminente é o fato de que Idlib foi “usada” como ralo e local para onde correram todos os terroristas anti-Síria e antigoverno sírio. Esse status quo que não pode durar.

Sempre desde a batalha de Al-Qusayr e o colapso das forças terroristas, mais terroristas foram despachados para Idlib, à espera de um acordo político. Esse influxo continuou sem interrupção e até incluiu “acordos” entre o Hezbollah e os terroristas, quando a região das [montanhas] Qalamoun foi saneada. Esses “acordos” envolveram terroristas ativos em solo libanês.

A lista dos terroristas que acabaram em Idlib inclui os que foram expulsos de Zabadani, Ghouta, Palmira, Aleppo, para citar alguns. Não chega a surpreender portanto o motivo pelo qual há quem estime em mais de 50 mil o número de terroristas atualmente lá. Há até quem fale em 100 mil. É possível que seja exagero, mas é muito difícil fazer estimativa acurada.

Há cerca de cinco anos, teria sido plausível pensar que a batalha final seria travada por Aleppo, não Idlib. Mas, dado que todos os tipos de terroristas foram mandados para Idlib não para Aleppo, foi como um prelúdio do que está agora acontecendo.

Assim sendo, a pergunta agora é: espera-se solução política, solução militar ou ambas? E os combatentes que foram convencidos pelos respectivos negociadores a ir para Idlib terão assegurada para eles alguma resolução política, com morrerão como “mártires” na sua busca jihadista?

Na realidade, a solução é muito mais intrigante do que se percebe à primeira vista. Por um lado, a Turquia alegou que retirava todo e qualquer apoio ao ISIS e, embora a narrativa turca oficial fale de negar apoio a qualquer outra organização terrorista que opere na Síria, a Turquia cuida de não expor muito claramente sua posição quanto à Frente al-Nusra.

Por um lado, a Turquia promete apoio tácito à al-Nusra mas, ao mesmo tempo, o Exército Sírio Livre (ing. FSA), que não passa de exército turco de-facto operando dentro da Síria, fez várias declarações ao longo do ano passado indicando que combateria para expulsar a Frente al-Nusra em Idlib. Faltou pouco para que os turcos anunciassem que o FSA estaria apoiando o Exército Árabe Sírio em seus esforços para reconquistar Idlib.

E se os terroristas com base em Idlib estão recebendo suprimentos, são suprimentos que só podem estar vindo via Turquia; afinal de contar, só há uma rota acessível para contato com o resto do mundo. Assim sendo, de que lado Erdogan está?

Mas contradições dessa natureza cercam Erdogan, pode-se dizer, de todos os lados. Afinal, é o membro da OTAN que está trocando sanções com os EUA, comprando armamento russo, e desesperado para se integrar à União Europeia, por mais que diga que vê os membros da UE como Cruzados odiadores de muçulmanos; recentemente Erdogan é manifestou interesse em unir-se aos BRICS.

Mas o objetivo dos EUA é ferir a Síria, mesmo sem qualquer justificativa. Ao que tudo indica, os norte-americanos estão trabalhando numa lista de alvos potenciais. Historicamente, quando os EUA não encontram motivo para atacar algum país, rapidamente criam um e convencem a mídia mundial e, via a mídia, o povo de todo o ocidente do planeta de que, sim, há/haveria razão genuína e plenamente justificada. As supostas Armas de Destruição em Massa do Iraque são talvez o exemplo mais eloquente. E embora a Rússia tenha apresentado provas à ONU de que os terroristas estão [hoje] planejando um ataque químico , ninguém conta com que os russos sejam ouvidos.

A situação torna-se ainda mais complexa se se levam em conta as relações do Estado Profundo dos EUA com a Rússia e, também, as relações de Trump com Putin/Rússia. No triângulo Estado Profundo dos EUA / Trump / Rússia-Putin, Trump é talvez a carne do sanduíche e qualquer novo ataque será provavelmente semelhante ao de abril passado, vale dizer, suficiente para satisfazer os neoconservadores, sem arriscar escalar o conflito nem com a Rússia nem com a Síria.

Sempre disse que os EUA não podem atacar a Síria com ferocidade igual à que usam contra outras nações. Qualquer ataque em grande escala contra a Síria põe Israel no alvo para ataques de retaliação tanto da Síria como do Hezbollah. Não se deve esquecer que, uma vez que os EUA dão maior atenção à segurança de Israel que à dos norte-americanos, sempre será altamente improvável que os EUA deliberadamente empreendam ação militar que ponha o pescoço de Israel sobre o cepo. Além disso, nesse momento extremamente sensível dos eventos, qualquer grande escalada pode justificar maior papel para o Irã. É pouco provável que Trump assuma esse risco, ainda que, por não o fazer, venha a desagradar ainda mais aos neoconservadores do Estado Profundo. Nesse sentido, a morte de John McCain é uma bênção que caiu sobre Trump, nesse momento crítico.

Escalada maior contra a Síria pode também pôr em perigo as embarcações da Marinha dos EUA no Mediterrâneo. EUA não sabem o que as defesas sírias guardam na manga, nem que equipamento de defesa nível estado-da-arte pode ter sido entregue aos sírios, pelos russos. Vimos recentemente que as defesas terra-ar sírias mostraram-se muito satisfatórias. E se os sistemas terra-mar de defesa foram também super modernizados?

A movimentação anterior da OTAN, que levou ao ataque de abril de 2018 foi acompanhada por pedidos, feitos pelos russos, para que EUA não escalassem. A retórica dos russos atualmente, contudo, vem acompanhada de movimentação equivalente e recíproca de suas próprias naves e submarinos de guerra. Pode ser preparação para confronto que os russos sabem que seja inevitável. Ou não passará de show de força?

Circula muita especulação, e todos os cenários estão sobre a mesa, mas a evolução menos provável é confronto direto entre EUA e Rússia; pouco provável, mas confronto limitado é possível, desta vez, especialmente se os ataques puderem ser atribuídos a erros e/ou apresentados como ações de outros. Afinal de contas, com a influência que tiveram sobre o mundo já em processo de diluição, com o poder econômico que tiveram já em colapso, e com a superioridade militar já desafiada pelo armamento super moderno com que os russos já contam, dos quais os EUA não poderão competir ainda por décadas, os EUA estão cada dia mais pressionados para mostrar ao mundo – e aos próprios cidadãos, claro – que ainda estariam no comando. Por essas razões, sim, é possível que os EUA avancem mais um passo [em relação aos ataques de abril de 2018].

Para que ultrapassem a linha vermelha traçada pela Rússia, não é necessário que os EUA acertem alvos russos per se. Porque apostam, de fato, na sabedoria dos russos e na certeza de que os russos só usarão força bélica se e quando for inevitável e, ainda nesse caso, que a usarão com ponderação, é possível sim que os EUA assumam risco maior e lancem ataque relativamente maior contra a Síria; incluindo ataques a locações chaves e sensíveis.

Mas quem pode garantir que a Rússia sequer tente administrar a resposta síria e – digamos, para argumentar – em retaliação, afundar navio dos EUA, o que acontecerá? Os EUA avançarão em ataque de maior escala ou recuarão?

Na realidade, desde o final da 2ª Guerra Mundial, e embora os EUA tenham vivido em perene estado de guerra contra um ou outro país, os EUA não se engajaram em guerra alguma contra adversário de dimensões e poder sequer próximos dos seus. Basta listar as guerras em que os EUA envolveram-se: Coreia, Vietnã, Afeganistão e Iraque, nunca passaram de violência, provocação e bullying. Mesmo assim os EUA foram derrotados no Vietnã, em guerra contra o Exército do Vietnã que absolutamente não tinha nem a tecnologia nem o poder de fogo dos norte-americanos.

Porém, embora a ordem geoestratégica do mundo esteja em reformatação, com novas potências que vão emergindo e as velhas potências em degradação continuada, mesmo assim os EUA continuam a procurar guerras. Assim, mais dia menos dia, acabarão por se verem diante de inimigo realmente capaz de derrotá-los. A menos que a Rússia venha a se envolver diretamente com os EUA na Síria, nenhum inimigo de dimensões consideráveis se apresentará na batalha cuja encenação começa agora, em torno de Idlib. Mas dado que atualmente ninguém precisa ser superpotência para ter armamento efetivo, e porque, mais uma vez, ainda não se vê com clareza quais são as capacidades de defesa da Síria, é possível que essas capacidades produzam alguma surpresas. Em 2006, até o Hezbollah teve meios para destruir, no mar, uma fragata israelense.

Algumas vozes ditas “preocupadas” andaram batendo o bumbo do pânico, insinuando que os EUA converteriam a Síria em ruínas e poeira. Com o baixo ventre macio dos EUA (quer dizer, Israel) logo ali, virando a esquina, com dezenas de milhares de foguetes posicionados para lançamento se a linha vermelha for ultrapassada na Síria, com a modernização das defesas sírias, com o Irã ali presente e, por último, mas não menos importante, com a presença dos russos, o cenário de os EUA ‘reduzirem a Síria a pó’ só parece verossímil em roteiro de filme de Hollywood. As tais vozes “preocupadas” que regurgitam a retórica belicista, sem parar, ao longo dos últimos cinco anos não se “preocupam” com a Síria. No máximo, tentam repor os EUA numa posição superior, que perderam no dia em que a Rússia chegou à Síria, há cerca de três anos, dia 28 de setembro de 2015, para ser exato.

Mas os eventos de 28/9/2015 não foram coisa repentina e impossível de prever. Foram resultado de uma virada gradual em tecnologia, economia e de mudança no poder, com enfraquecimento do controle que o ocidente tinha sobre o mundo, e correspondente fortalecimento de grandes potências eurasianas. A política de faça-o-que-estou-mandando dos EUA já não é viável. O máximo que os EUA podem fazer é impor sanções e tarifas contra países que não ‘obedeçam’.

Bem feitas as contas, os EUA não têm o que fazer, nem motivo para estar em Idlib. Se os EUA realmente se interessassem, como dizem, pelo fim do terrorismo, não estariam postados como obstáculo à movimentação do Exército Árabe Sírio em Idlib – que é hoje a fossa para onde convergem terroristas de todo o mundo. Mais que isso, o pretexto-clichê de ataque com armas químicas não é nem jamais será justificativa para aprofundar o conflito no Mediterrâneo. E caso aconteça esse ataque com armas químicas, será como o anterior: ataque falso, golpe sob bandeira falsa, orquestrado pelos próprios terroristas, com conhecimento e apoio dos norte-americanos.

Com atacar a Síria agora, os EUA só estarão prolongando a guerra e o sofrimento do povo sírio, além de ajudarem os terroristas que dizem querer erradicar.

Qualquer escalada que ultrapasse os esforços para sanear a própria Idlib trará desastre de consequências duradouras. Afinal, em termos de realidade militar pragmática, o novo míssil hipersônico russo Kinzhal potencialmente converte em patas chocas todas as naves dos EUA em todo o Mediterrâneo. Escalada desse tipo é muito improvável, e não é coisa que alguém deva desejar, porque pode levar ao holocausto nuclear. Mas exatamente como nos dias da Guerra Fria, quando o espectro de uma carnificina resultante de confronto entre EUA e russos serviu como fator que impediu que acontecesse a 3ª Guerra Mundial, deve-se esperar que volte a servir ao mesmo fim também agora.

Qualquer análise racional do que está acontecendo agora no Mediterrâneo indica claramente que, além de os EUA estarem sob pressão maior para atacar do que estavam em abril passado, os riscos de haver uma grande escalada tampouco são menores; de fato, são até maiores. A verdadeira diferença, se há, afinal, alguma diferença, é que o lado sírio-russo está hoje mais bem preparado – para o caso de os EUA abraçarem riscos irresponsáveis e temerários.

O resultado mais provável do surto de autoafirmação pelo qual os EUA passam é, portanto, que os EUA cometam outro raid cenográfico contra a Síria, em tudo similar ao ataque de abril de 2018. Ao mesmo tempo, o Exército Árabe Sírio, sem se deixar enganar pela cenografia, avançará sobre Idlib – último valhacouto de terroristas a oeste do Eufrates. E a batalha será gigante.

Traduzido por Vila Vudu

Share Button

Deixar um comentário