A Rússia chama a Turquia ao respeito pelos seus compromissos

Share Button


O Presidente russo, Vladimir Putin, recebeu em Sochi, em 22 de Outubro de 2019, o seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdoğan. As conversações prolongaram-se durante cinco horas. Elas incidiram tanto sobre as relações comerciais bilaterais como sobre a operação turca «Fonte de Paz» na Síria.

O fornecimento do sistema de defesa anti-aérea S-400 desenrolou-se a tempo e sem incidentes. A construção da central (usina-br) nuclear civil de Akkuyu assim como do gasoduto Turkish Stream prosseguem normalmente.

Os dois países assinaram um Memorando de acordo [1] sobre a situação na Síria. Ele baseia-se, por um lado, no respeito pela integridade territorial da Síria e nas necessidades de segurança e da Turquia, e por outro no Acordo de Adana [2], negociado em 1998 pelos governos de Hafez el-Assad e de Süleyman Demirel.

Este documento, cujas cláusulas foram durante muito tempo mantidas secretas, permite que o Exército turco persiga os terroristas do PKK, que o bombardeavam, penetre em território sírio. À época, a artilharia PKK estava dotada de um alcance máximo de 32 quilómetros, daí a zona ocupada hoje em dia pelo Exército turco com 32 quilómetros. Por outro lado, a República Árabe Síria tinha autorizado o Exército turco a tomar medidas de segurança permanentes numa zona de 5 quilómetros. Estas disposições punham fim à tensão sírio-turca gerada pelo asilo político concedido a Abdullah Öcallan e ao PKK.

O Memorando russo-turco confirma a legalidade da operação turca «Fonte de Paz» numa zona fronteiriça de 32 quilómetros, à exceção da cidade de Qamishli. Ele não diz nada sobre a exigência dos EUA de fecho da rota de comunicação setentrional Teerã-Beirute. Além disso, não fixa prazo para a retirada do Exército turco, agora susceptível de impor uma ocupação militar tal como fez em Chipre e no Iraque.

O Memorando também nada diz sobre crimes de guerra cometidos pelas milícias turcomanas sírias, auxiliares do Exército turco, nem sobre as acusações da Anistia- Internacional [3] e do Times de Londres [4] denunciando o uso de fósforo branco pelo Exército turco.

Tradução
Alva


[1] “Memorandum of Understanding Between Turkey and the Russian Federation”, Voltaire Network, 22 October 2019.

[2] “The Adana Security Agreement”, Voltaire Network, 20 October 1998.

[3] “Syria: Damning evidence of war crimes and other violations by Turkish forces and their allies”, Amnesty International, Octobre 18, 2019.

[4] “Evidence of Turkish phosphorus attack mounts in Syria”, Anthony Loyd, The Times, October 21, 2019.

Share Button

Deixar um comentário